CMA-J

Colectivo Mumia Abu-Jamal

EUA - Aciona manual de treino militar contra organizações ambiantalistas

Exército dos Estados Unidos lista Earth First! como ameaça terrorista ao lado da Al-Qaeda
por Will Potter, 14 de outubro, 2013

Um manual de treino do exército dos Estados Unidos que instrui as tropas a reconhecer organizações terroristas, inclui grupos ambientalistas como Earth First!, e lista a Frente de Libertação Animal (Animal Liberation Front, ALF) ao lado da Al-Qaeda.
 
O manual não secreto foi criado pelo Comando de Treino e Doutrina do Exército dos Estados Unidos, que diz: “Este manual é projetado para fornecer aos instrutores, líderes e soldados uma referência de acesso à identificação dos logotipos conhecidos utilizados por insurgentes, terroristas, paramilitares e outros grupos militantes ao redor do mundo”.
Dentre as listagens há uma página sobre “Terroristas Ambientalistas”, com imagens de tshirts do Earth First! e bandeiras, assim como tshirts de “libertação animal” que são vendidas por organizações não lucrativas  nacionais desde os anos 90.

Outras ameaças terroristas identificadas nos Estados Unidos incluem  o “Weather Underground”, que foi dissolvido nos anos 70.

O guia, que possui mais de 60 páginas, inclui informações de grupos que, ao contrário do Earth First!, de fato feriram seres humanos. Entretanto, este guia de treino não oferece informação sobre os tipos de ameaça que estes grupos representam, e assim apresentam ativistas não violentos enquanto ameaças violentas. Por exemplo, na página sobre grupos terroristas na Grã-Bretanha, a ALF está colocada ao lado da Al-Qaeda.

Como Ali Abunimah percebe nas notas contidas em *ElectronicIntifida.net*, o guia também combina grupos insurgentes com comunidades inteiras:

*Na página 31 do próprio guia do exército, uma simples bandeira Palestina aparece próxima ao nome “Organização Abu Nidal (Sunni)”.

*O grupo, notório nos anos 70, é designado como “inativo” pelo Departamento dos EUA de Segurança Nacional financiado pelo Consórcio Nacional para o Estudo do Terrorismo e Respostas ao Terrorismo na Universidade de Maryland…

*De qualquer forma, mesmo se a bandeira Palestina fosse de fato o logotipo de qualquer organização específica, o guia não fornece nenhuma notificação ou advertência de que a bandeira Palestina por si só não deveria ser “reconhecida” como símbolo de um grupo “terrorista, insurgente ou militante”, dado seu reconhecimento global como a bandeira de um país.
O que é especialmente problemático sobre guias como esse é que são criados “para dar assistência à unidades na identificação de grupos através de seus logotipos encontrados em vídeos, revistas, jornais, grafites e outros tipo de mídia”. Em outras palavras, é projetado para ser uma cifra para decodificar atividades da Primeira Emenda [da Constituição dos Estados Unidos] que podem ser criadas por “terroristas”.

Isso possui consequências no mundo real, visto que grupos como o Earth First! colocam seus corpos a vista através de assentamentos [subidas] em árvores, bloqueio de rodovias, e desobediência civil não violenta para parar a destruição ambiental. A campanha de Marcellus Shale contra a fraturação hidráulica é apenas um exemplo. Ensinar aos militares e a observância da lei que estes ativistas são equivalentes à Al Qaeda, e que qualquer um que utilize estes logotipos são parte desta ameaça, pode
resultar em consequências desastrosas .

"Revolução Subterrada"

A passagem subterrânea de Alcântara apresenta uma nova face, que se têm vindo a transformar de dia para dia, por acção da Associação Portuguesa de Arte Urbana (APAURB) e de algumas dezenas de colaboradores que gratuitamente têm vindo a realizar pinturas que têm acolhido a aceitação dos milhares de utentes dos transportes públicos que diariamente passam neste espaço.
É um trabalho em curso que carece do apoio de todos para a sua conclusão como galeria de arte temporária . Há ainda muito trabalho por realizar caso desejes colaborar de uma forma mais próxima contacta a APAURB .
 
 
 

Não Há Becos Sem Saída


47º Aniversário dos Black Panthers


Ex membros do partido dos panteras negras que são presos políticos há décadas escreveram recentemente mensagens para a reunião comemorativa do 47º Aniversário do partido .
 
 

 
 

 

PSP detém pela segunda vez em quatro


Cinco elementos da Juventude Comunista Portuguesa foram hoje detidos pela PSP no Porto por tentarem pintar um mural alusivo ao arquivamento de uma outra detenção, em 21 de Junho, de 11 membros da JCP por motivo semelhante.

Os cinco detidos encontram-se na esquadra de Cedofeita, onde estão a ser ouvidos pela PSP.

Por volta das 17:20, um elemento da Câmara do Porto fotografou os primeiros esboços do mural feitos a lápis pelos jovens numa parede da Escola Secundária Infante D. Henrique, na Praça da Galiza.

O incidente cujo arquivamento este mural visava assinalar ocorreu a 21 de Junho, quando onze jovens da JCP foram detidos junto à mesma escola do Porto.

Na ocasião, os membros daquela juventude partidária estavam a pintar um mural alusivo aos dois anos de Governo de Pedro Passos Coelho, conforme disse na ocasião Belmiro Magalhães, da Direcção de Organização Regional do Porto (DORP) do PCP.

"Foi uma detenção ilegal, tendo em conta tratar-se de um direito constitucional", acrescentou na altura este dirigente, em declarações à Lusa, à porta da esquadra para onde os jovens foram levados pela PSP.
 
 

Paris - Estudantes bloqueiam liceu contra a expulsão de jovem

por Lusa, publicado por Luís Manuel Cabral

Estudantes protestam contra a expulsão de Leonarda Dibrani

 
Estudantes liceais bloquearam hoje vários estabelecimentos em Paris, num protesto contra as expulsões de alunos estrangeiros, na sequência da mediática expulsão da aluna cigana kosovar Leonarda Dibrani, entregue à polícia à saída da escola
Quatro liceus parisienses, Maurice-Ravel, Hélène-Boucher, Charlemagne e Sophie-Germain, foram bloqueados e em duas outras escolas as entradas foram "condicionadas", de acordo com a direção administrativa.
"A palavra de ordem é a mobilização pelo regresso das estudantes expulsas", disse à agência noticiosa francesa Steven Nassiri, porta-voz da associação liceal FIDL, próxima do Partido Socialista (no poder), contactado por telefone durante uma manifestação junto ao liceu Charlemagne, em Paris.
"É inadmissível que, durante um mandato de um Governo de esquerda, seja preciso mostrar identificação para entrar na escola. Todas as pessoas têm direito à educação", considerou.
O Governo francês abriu, na quarta-feira, um inquérito administrativo às condições de detenção de Leonarda, de 15 anos, no leste de França, ocorrida a 09 de outubro e divulgada esta semana. As conclusões do inquérito são esperadas dentre de 48 horas, esta noite ou na sexta-feira.
Já na quarta-feira, várias centenas de estudantes liceais concentraram-se em frente à direção administrativa, em Paris, para protestar contra as expulsões de alunos estrangeiros, na sequência da detenção e expulsão do país de um aluno arménio, de 19 anos, que estudava na capital francesa.
 

 

Pelo Direito à Habitação e à Cidade

19 de Outubro: Dia Europeu de Acção pelo Direito à Habitação e à Cidade
 AS CASAS PARA AS PESSOAS     
 NÃO PARA O LUCRO E  A ESPECULAÇÃO
 
15 de Outubro de 2013
 
No próximo sábado, 19 de Outubro, realiza-se o primeiro dia de Acção conjunta pelo direito à habitação e à Cidade, com acções por toda a Europa, nomeadamente em Amesterdão, Atenas, Berlim, Budapeste, Dusseldorf, Dublin, Geneva, Lisboa, Malaga, Toulouse, Paris, Roma e Varsóvia. Em Lisboa, haverá uma Assembleia pelo Direito à Habitação, a ter lugar pelas 10h, na Praça da Figueira.
Na maior parte dos países europeus, a situação habitacional de milhares de pessoas está a agravar-se. Todos os dias aumenta o número de pessoas que não têm acesso à habitação ou que acedem à habitação em condições de grande precariedade – seja em regime de arrendamento, crédito à habitação, ou em bairros auto-construídos. O acesso à habitação tem vindo a ser limitado pela acção de mercados financeiros globalizados e de empresas transnacionais orientadas pelo lucro, que especulam sobre, e controlam, grandes áreas de terra, edifícios e, até o parque habitacional “público”. As acções visam exigir o fim do fardo esmagador da dívida que foi colocado sobre o cidadão e a cidadã comum. Reivindica-se políticas que priorizem claramente a função social da habitação, democratizando a produção legislativa, ouvindo as pessoas directamente afectadas e estimulando a sua participação efectiva na elaboração de leis socialmente justas.
Esta acção representa a afirmação de uma aliança Europeia pelo direito à habitação e à Cidade, envolvendo diversos grupos, organizações e movimentos sociais. Esta é uma plataforma de acção criada a partir de encontros realizados em 2013 na Alemanha e na Grécia, e tem como base a convicção de que as políticas de habitação deverão estar orientadas para as necessidades e os direitos das pessoas e não os interesses do lucro e da especulação.
 

18 de outubro - Dia Europeu de Combate ao Tráfico de Seres Humanos

Cine Debate- 18 de outubro Dia Europeu de Combate ao Tráfico de Seres Humanos
A Sexta Cultural da Casa do Brasil de   Lisboa e o projeto ISI 
contra a Violência de Género , promovido pela associação UMAR com o
apoio financeiro da CIG, POPH/QREN e FSE, têm o prazer de a/o
convidar para a exibição do filme “Anjos doSol” de Rudi Lagemann.
Após a exibição do filme será realizado um debate sobre o tema do 
Tráfico de Meninas e Mulheres no dia Europeu de Combate ao Tráfico
de Seres Humanos. 



O debate contará com as convidadas:


Alexandra Alves Luis - UMAR - Projecto ISI contra a Violência de 
Género
Filipa Alvim - Investigadora no Centro em Rede de Investigação em 
Antropologia 
Maria Bibas - Casa do Brasil de Lisboa
Rita Penedo - Observatório do Tráficode Seres Humanos|OTSH


Casa do Brasil - Rua Luz Soriano, 42, info 213400000


9 de Outubo . Passam hoje 46 anos após o assassinato de Che Guevara

"No dia 9 de outubro de 1967, tropas da Bolívia mataram o líder revolucionário Ernesto Che Guevara. Companheiro de Fidel Castro, sonhava em estender a revolução cubana para todo o continente latino-americano.

Che ganhou seu apelido no México
Ernesto Guevara de la Serna nasceu em 14 de junho de 1928, em Rosário, na Argentina. Proveniente de família de classe média alta, formou-se em Medicina na Universidade de Buenos Aires, em 1953. Foi o primogênito dos cinco filhos de Ernesto Lynch e Celia de la Serna y Llosa.
Como Ernesto sofresse de asma, sua família mudou-se várias vezes, em busca de um clima melhor. Guevara cresceu em Alta García, na região serrana de Córdoba. Sua doença o prendeu várias vezes à cama, onde tomou gosto pela literatura clássica universal.
Convencido de que a revolução era a única forma de acabar com as desigualdades sociais existentes na América Latina, foi para o México em 1954, onde juntou-se a um grupo de exilados cubanos liderado por Fidel Castro.
Sua adolescência foi marcada pela Guerra Civil Espanhola e, depois, pela Segunda Guerra Mundial. Também se dedicou intensamente ao esporte. Em Córdoba, aprendeu a jogar rúgbi, tênis, golfe e se dedicou à natação.
Em 1946, a família voltou a estabelecer-se em Buenos Aires. Embora pretendesse estudar Engenharia, decidiu-se pela Medicina depois de assistir à morte da avó, a quem era muito ligado.
Intelectual e andarilho
O jovem atrevido e desleixado consigo mesmo percorreu diversas vezes como mochileiro vários países latino-americanos. Após concluir o curso universitário, com 25 anos, partiu para a Venezuela e depois à Bolívia.
Fez contato com exilados no Peru e ligou-se ao regime pró-comunista da Guatemala. No final de 1953, com 26 anos, é admirador da URSS e deseja unir-se a um partido comunista de qualquer país que seja. Na Guatemala, nação que passava por grande reforma, conduzida pelo presidente Jacobo Arbenz, conheceu Hilda Gadea, militante política peruana, que mais tarde se tornaria sua esposa.
Como não conseguisse exercer a medicina, viveu da venda de enciclopédias de porta em porta. Quando o governo comunista da Guatemala foi derrocado (1954), seguiu para o México. Por causa de sua atuação sindical, Che fora informado de que corria perigo e asilou-se na embaixada argentina. Hilda chegou a ser detida, para ser libertada em seguida. Ambos conseguiram deixar legalmente o país e foram para o México, onde se casaram em 1955. Lá também nasceu a filha, Hilda Beatriz.
No México, recebeu o apelido Che, por usar a expressão sempre que falava com alguém. Foi apresentado a Raúl Castro, líder estudantil cubano recém-saído da prisão em Cuba e, a 8 de julho de 1955, conheceu Fidel Castro, que havia passado um ano e dez meses preso na ilha de Pinos, Cuba. Fora anistiado por Fulgêncio Batista, a quem derrubaria mais tarde, com o apoio de Che.
Ascensão e morte de um futuro ídolo
Na madrugada do dia 25 de novembro de 1956, zarpou do porto mexicano de Tuxplan o iate Granma, com capacidade para 20 passageiros, levando 82 guerrilheiros, entre eles Che. Sua tarefa era atender os eventuais feridos no desembarque em Cuba.
No combate que se seguiu ao desembarque, sobraram apenas 12 sobreviventes, entre os quais Che e os irmãos Castro. Com o apoio dos camponeses, passaram a agir a partir de Sierra Maestra. Em 1959, entraram em Havana à frente das tropas guerrilheiras vitoriosas.
No governo com Fidel Castro, Guevara exerceu diversas funções, incluindo a de ministro da Indústria (1961-1965). Seu objetivo primordial, no entanto, era estender a revolução a outros países. Por isso, deixou suas funções em Havana para juntar-se a um grupo de guerrilheiros bolivianos, cuja meta era derrubar o regime ditatorial que vigorava na Bolívia.
Entretanto, Che Guevara foi capturado e morto pelo exército boliviano, em La Higuera, perto de Vallegrande (Santa Cruz), em 9 de outubro de 1967. Suas mãos foram amputadas e levadas para os EUA, a fim de confirmar a identidade do "principal inimigo do imperialismo norte-americano nas Américas". Seus restos mortais foram encontrados em uma vala, somente em 29 de junho de 1997, com os demais seis guerrilheiros."

Não há becos sem saída ! É tempo de agir .


Que se lixe a troika! Não há becos sem saída!
É tempo de agir. 

Sabemos que o regime de austeridade no qual nos mergulharam não é, nem será, uma solução. Voltamos a afirmar que não aceitamos inevitabilidades. Em democracia elas não existem.

É tempo de escolhas simples. Educação para todos ou só para alguns? Saúde pública ou flagelo? Transporte público ou gueto? Constituição ou memorando da troika? Cultura ou ignorância? Pensões e salários dignos ou miséria permanente? 

Nós ou a troika?

Sectores vitais para a nossa sobrevivência estão a ser entregues a banqueiros e especuladores, que os reduzirão à razão do lucro: água, energia, transportes, florestas, comunicações. Querem forçar-nos a abdicar do que construímos: na Saúde, na Educação, nos direitos mais básicos como habitação, alimentação, trabalho e descanso.
A troika e os governos que a servem pretendem deitar fora o sonho de gerações de uma sociedade mais livre e igualitária.
A quem está farto de ver vidas penhoradas e esvaziadas, fazemos o apelo a que se junte a nós na construção da manifestação de 26 de Outubro. 
A manifestação será mais um passo determinante na resistência ao governo e à troika!
Não há becos sem saída.

O que queremos é viver ...

 
Subscreve a Petição seguinte
 
Acabei de ler e assinar a petição: «Petição 'O que queremos é viver' - Movimento Vida Independente em Portugal» no endereço http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=IPCVI

VOLTANDO A DOR EM FORÇA

Angola 3 Boletim, 7 de outubro de 2013:
Voltando a dor em força
Que semana inacreditável, surreal, momentânea e histórica que foi com a libertação, depois de 42 anos, com uma ultima tentativa de um Estado vingativo de o reacusar, e o seu falecimento. Isto tudo num período de dias. A sua família e amigos ainda se encontram num turbilhão.

Sempre maior que a vida, Herman deixa um enorme vazio em todos nós. Em baixo encontra-se a informação sobre o funeral de Herman, a realizar-se no sábado assim como a acção de beneficência no dia de hoje, ...para ajudar a família no pagamento do funeral.

Longa vida Herman Wallace!
Libertem Albert Woodfox e todos os presos políticos!
Acabem com o isolamento prisional!

Herman Wallace, RIP
Aurora: 13 de Outubro de 1941
Crepúsculo: 4 de Outubro de 2013
Velório de Herman (Hook) Wallace

Para celebrar a vida e espirito de Herman, juntem-se à sua família e amigos no dia 12 de Outubro de 2013, no Colectivo Treme de New Orleans, 900 N. Villa St., New Orleans, LA

Velório: 9h00

Cerimónia fúnebre: 10h00

Enterro: 12h00

Encontro no Colectivo Treme: 14h-16h

Sacerdote: Rev. Kenneth J. Harrel de Cummings - igreja Wilson A.M.E.

Para mais informações: +1 (832) 494-4027
 

Ver flyer  aqui .
Mensagem de Robert King relativo a acção de beneficência de dia 8 de Outubro para a familia de Herman:
 
Caros amigos, apoiantes, camaradas, et al,

Estamos a enviar este flyer para todos os apoiantes A3 (em especial para os que se encontram na area de New Orleans e Louisiana) para virem apoiar a acção de beneficência  para a angariação de fundos de ajuda para o funeral de Herman.

Para os apoiantes que se encontram longe e que não podem estar presentes e que gostariam de ajudar, doações podem ser feitas aqui:(especialmente aqueles em Nova Orleans e Louisiana área) para sair em apoio de um benefício para angariar fundos para ajudar a cobrir os custos do enterro de Herman. Para os partidários distantes que não podem participar e gostaria de ajudar, as doações podem ser feitas aqui .

A acção terá lugar no centro cultural Ashe, 1712 Oretha Castle Haley Boulevard em New Orleans às 18h30, no dia 8 de Outubro.

Por favor partilhem e espalhem este flyer.

Agradeço a todos os apoiantes, e espero vos encontrar na próxima terça-feira.

Como sempre,
King.

Relator Especial da ONU sobre a Tortura exige a libertação imediata de Albert Woodfox do confinamento solitário
"Este é um caso triste e não é mais", sublinhou Relator Especial da ONU sobre a tortura, Juan E. Méndez, em comunicado de hoje. "O co-acusado, o Sr. Woodfox, permanece em confinamento solitário na pendência de um recurso para o tribunal federal e tem sido mantido em isolamento em um de 8 pés por 12 pés (2,5 x 3,5 m. Aprox.) Célula até 23 horas por dia, com apenas uma hora de exercício ou de recreação solitária. "

"Manter Albert Woodfox em confinamento solitário por mais de quatro décadas equivale claramente a tortura e deve ser levantada imediatamente", disse Méndez, que tem repetidamente instado o Governo dos EUA a abolir o uso do confinamento solitário prolongado ou indefinido. "Estou profundamente preocupado com sua condição física e mental."

"As circunstâncias da prisão do chamado Angola Três mostram claramente que o uso de confinamento solitário no sistema penitenciário EUA vai muito além do que é aceitável sob a lei internacional de direitos humanos", disse o investigador independente sobre a tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou desumanos ou degradantes observou.

- Leia o release completo pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU aqui .

Herman Wallace e Angola 3 na Imprensa
- Um agradecimento especial a PBS, que atualmente está honrando Herman por streaming Casa do filme Herman. Assista o filme completo aqui .

Cobertura da Mídia: NY Times   II   A Anistia Internacional   II   Times-Picayune   II   The Advocate   II   Abc   II   Melissa Harris-Perry, MSNBC   II   NBC   II   The Independent, UK   II   UPI   II   Sonhos comuns   II Toronto Sun / Reuters   II    Associated Press: NY Daily News , Memphis Commercial Appeal , Windsor Estrela   II   ACLU    II Todas as Vozes   II   NPR   II   El Ciudadano, Chile   II   Voz da Rússia entrevistas Assista Solitário   II The China Post / AFP II Scott Corvo II Diante do Sul  
Mantenha contato com Albert

Albert  
Albert Woodfox # 72148
David Wade Centro Correcional
N1 A3
670 Sino Hill Road
Homer, LA 71040

Contra a Exploração e o Empobrecimento


Lampedusa: trabalhos de resgate prosseguem este sábado | euronews, mundo

Lampedusa: trabalhos de resgate prosseguem este sábado | euronews, mundo

Morreu Herman Wallace, após 41 anos de prisão nas masmorras do império

Angola 3 Boletim de 4 de outubro de 2013:
O "Muhammad Ali do Sistema de Justiça Criminal" - uma vida extraordinária
Esta manhã, nós perdemos, sem dúvida, o maior, mais corajoso, ousado e de personalidade no mundo prisioneiro político. É com grande tristeza que escrevo com a notícia da morte de Herman Wallace.
Herman nunca fez nada no meio do caminho. Abraçou suas muitas missões e aventuras na vida com um entusiasmo e determinação tenaz destemido que nunca vai absolutamente ser rivalizado. Ele era extremamente leal e amorosa a quem considerava amigos, e sempre saiu do seu caminho para defender essas causas e pessoas que necessitam de uma voz forte e feroz defensor, não importa as conseqüências.
Qualquer sorte de ter passado algum tempo com Herman sabe que seu espírito indomável vai viver através de seu trabalho e do exemplo que ele deixou para trás. Que cada um de nós aspira a ser tão dedicado a algo tão Herman foi à vida, e à justiça.
Abaixo está um obituário / press breve declaração para quem não o conhecia bem, caso você deseja circular alguma coisa. Homenagens daqueles que estavam mais próximos ao Herman e mais informações sobre como ajudar a preservar o seu legado, mantendo sua luta viva seguirão em breve.
Em 04 de outubro de 2013, Herman Wallace, um ícone do movimento de reforma do sistema prisional moderno e um homem inocente, morreu um homem livre depois de passar uma inimagináveis ​​41 anos em confinamento solitário.
 
Herman passou os últimos quatro décadas de sua vida lutando contra tudo o que é injusto no sistema de justiça criminal, tornando internacional a situação desumana que é longo confinamento solitário prazo, e lutando para provar que ele era um homem inocente.
 
Apenas três dias antes de sua morte, ele conseguiu, sua condenação foi anulada, e ele foi liberado para passar suas horas finais cercado pelos seus entes queridos. Apesar de seus breves momentos de liberdade, seu caso agora vai servir para sempre como um exemplo trágico que a justiça atrasada é justiça negada.
 
Início da vida de Herman Wallace em Nova Orleans durante o apogeu de uma implacável e injusto Jim Crow sul muitas vezes encontramos no lado errado da lei e, eventualmente, ele foi enviado para a Penitenciária Estadual de Louisiana em Angola por assalto à mão armada. Enquanto estava lá, ele foi apresentado a poderosa mensagem de auto-determinação e ação comunitária coletiva do Pantera Negra e rapidamente se tornou um de seus praticantes mais persuasivos e ardente.
 
Não muito tempo depois, ele começou a organizar greves de fome e de trabalho para protestar contra a segregação continuada, corrupção endêmica e abuso horrível desenfreada na prisão, ele e seu companheiro pantera camaradas Albert Woodfox e Robert King foram acusados ​​de crimes que não cometeram e jogado em solitária.
 
Robert foi lançado em 2001 depois de 29 anos na solitária, mas Herman permaneceu lá por um número sem precedentes de 41 anos, e Albert ainda está em uma cela solitária 6x9.
 
Processo criminal de Herman terminou com sua morte, mas seu legado viverá através de uma ação civil ele apresentou em conjunto com Robert e Albert, que procura definir e abolir o isolamento a longo prazo como forma de punição cruel e incomum, e através de seu companheiro de Albert Woodfox ainda ativo e proposta promissora para a liberdade da condenação injusta que ambos compartilhavam.
 
Herman tinha apenas nove dias tímido de 72 anos de idade.
 
Serviços será realizada em New Orleans. A data eo local em breve.
 
Para mais informações visite www.angola3.org e http://angola3news.blogspot. com / .
Mantenha contato com Herman e Albert

H & A  
Albert Woodfox # 72148 Herman Wallace # 76759
David Wade Correctional Centro Elayn Caça Correctional Center
N1 A3 CCR D # 2
670 Bell Hill Road PO Box 174
Homer, LA 71040 St. Gabriel, LA 70776

Louisiana prisoner released after 41 years in solitary

Herman Wallace, who is dying of cancer, endured long legal battles after his 1972 murder conviction


Herman Wallace with his legal team after he was released.

Herman Wallace with his legal team after he was released. Photograph: Lauren McGaughy/AP
A 71-year-old Louisiana prisoner who spent 41 years in solitary confinement and is now dying of cancer was released from prison late on Tuesday, his lawyers said.
Late on Tuesday, US district chief judge Brian Jackson in Baton Rouge denied the state's motion seeking to block his earlier order overturning Herman Wallace's 1974 murder conviction in the death of Angola prison guard Brent Miller.
Jackson had also ordered a new trial because women were unconstitutionally excluded from the grand jury that indicted Wallace in the guard's death. He ordered him to be released immediately.
Wallace and two other inmates convicted in the 23-year-old guard's slaying came to be known as the Angola Three.
Wallace, of New Orleans, was serving a 50-year armed robbery sentence when Miller was fatally stabbed in 1972. Wallace and the two others convicted in Miller's death were moved to isolation at the Louisiana state penitentiary in Angola. In 2009, Wallace was moved to "closed-cell restriction" at Hunt correctional in St Gabriel and recently was taken to the prison's hospital unit.
Amnesty International USA last year delivered a petition to Louisiana governor Bobby Jindal's office, containing 65,000 signatures calling called the men's solitary confinement inhuman and degrading.
The group's executive director, Steven Hawkins, welcomed Tuesday's ruling.
"Tragically, this step toward justice has come as Herman is dying from cancer with only days or hours left to live," he said in a statement. "No ruling can erase the cruel, inhuman and degrading prison conditions he endured for more than 41 years."
Wallace's attorneys said the freed prisoner left a correctional centre in St Gabriel by ambulance on Tuesday evening and was expected to go to hospital in New Orleans for treatment of advanced terminal liver cancer.
"Tonight, Herman Wallace has left the walls of Louisiana prisons and will be able to receive the medical care that his advanced liver cancer requires," his legal team said in a statement.
Earlier on Tuesday Jackson had overturned Wallace's 1974 murder conviction in Miller's death.
"The record in this case makes clear that Mr Wallace's grand jury was improperly chosen in violation of the Fourteenth Amendment's guarantee of 'the equal protection of the laws' ... and that the Louisiana courts, when presented with the opportunity to correct this error, failed to do so," Jackson wrote.
"Our Constitution requires this result even where, as here, it means overturning Mr Wallace's conviction nearly 40 years after it was entered."
George Kendall, one of Wallace's attorneys, told the Associated Press in an earlier telephone interview the decision gives his client "some measure of justice after a lifetime of injustice", but his response was tempered by the grim outlook for Wallace's health.
"He's pleased," Kendall said of Wallace's reaction after hearing of Tuesday's ruling, "but he's quite ill."
Wallace has been diagnosed with terminal liver cancer. Kendall said he "ceased receiving treatment a couple of weeks ago".
Kendall said the state had filed notice it would appeal against Jackson's ruling. A telephone message left with East Baton Rouge parish district attorney Hillar Moore's office was not immediately returned.
Kendall said his client has asked that, after his death, they continue to press the lawsuit challenging Wallace's "unconstitutional confinement in solitary confinement for four decades".
"It is Mr Wallace's hope that this litigation will help ensure that others, including his lifelong friend and fellow 'Angola Three' member, Albert Woodfox, do not continue to suffer such cruel and unusual confinement even after Mr Wallace is gone," his legal team said in a written statement.
Woodfox, who remains in custody, and Wallace have continued to deny involvement in Miller's killing and say they were targeted because they helped establish a prison chapter of the Black Panther Party at the Angola prison in 1971, set up demonstrations and organised strikes for better conditions.
The third man, Robert King, was released after 29 years in solitary confinement.

EUA - Louisiana recusa-se a libertar o ex-Pantera Negra, apesar de ordem judicial

 
Herman Wallace, um membro do chamado "Angola Three 'que tem poucos dias de vida, no centro da indecorosa disputa legal .
 
A batalha legal horrível sobre o destino de um homem moribundo está sendo jogado fora no centro correcional da Caça em São Gabriel, Louisiana , as autoridades estaduais se recusam a liberar um ex-membro do movimento Panteras Negras, apesar de um tribunal federal ordenando que fazê-lo.
Herman Wallace, que foi realizada há mais de 40 anos em confinamento solitário na Louisiana prisões, ainda está sendo confinado dentro da prisão, embora o juiz Brian Jackson ordenou na terça-feira que ele fosse imediatamente libertado. Wallace, 71 anos, sofre de câncer de pulmão e é acreditado para ter poucos dias de vida.
Uma ambulância está a postos do lado de fora do presídio e os advogados de Wallace também estão presentes. Mas o promotor de East Baton Rouge tem desafiado a ordem do tribunal federal, e à luz do desafio do departamento de Louisiana de correcções se recusa a libertar os cativos.
A disputa indecorosa sobre o destino de um homem morrer é totalmente de acordo com a história da história penal de Wallace até este ponto. Um membro do chamado Angola Três, ele foi condenado em 1974 por matar agente penitenciário Brent Miller em Angola prisão - mas sempre professou sua inocência.
Wallace foi, então, mantida por 41 anos em isolamento, como tem sido o seu co-réu e companheiro de Angola três Estados Albert Woodfox.
Anistia Internacional dos EUA adicionou a sua influência para a pressão de ter de lançamento Wallace, consciente de que ele tem, provavelmente, apenas algumas horas ou dias de vida.
Num comunicado, o diretor-executivo Steven Hawkins disse: "Nenhum dirigente pode apagar as cruéis condições desumanas e degradantes da prisão que ele suportou por mais de 41 anos - confinados a uma pequena cela durante 23 horas por dia, a decisão do juiz Jackson para derrubar Herman Wallace. convicção ressalta preocupações de longa data da Anistia Internacional sobre o processo legal original que resultou em sua prisão.
"O Estado deve agir imediatamente para liberar Wallace e remove Albert Woodfox de mais de quatro décadas de isolamento."
A equipe legal de Wallace pediu ao departamento de correções de honra a ordem do juiz e libertá-lo imediatamente "para que ele possa passar seus últimos dias como um homem livre."
Ordem do Juiz Jackson , emitido em um tribunal distrital federal em Baton Rouge, Louisiana, foi baseada na inconstitucionalidade de originais 1972 júri de Wallace que proferiu as acusações contra ele. O júri foi convocado como um painel só de homens - em consonância com o espírito contemporâneo de Louisiana, onde há grande júri já tinha incluído uma mulher até aquele momento.
Virulento câncer de Wallace foi diagnosticado em junho, depois de já ter atingido um estágio que era demasiado avançado para o tratamento. Ele culpa sua condição terminal no fato de que não foi dada a devida supervisão médica durante seu confinamento solitário prolongado.
Em suas mais recentes observações gravadas , publicadas pela primeira vez pelo The Guardian, disse o cineasta Angad Bhalla: "Estou atravessando o inferno ... Enquanto a minha mente é forte, meu corpo caiu vítima."
Notícia milagrosa esta manhã! Juiz Jackson derrubou a condenação de Herman, concedendo-lhe habeas alívio completo baseado na exclusão sistemática das mulheres do júri, em violação da Emenda 14.

Ainda mais surpreendentemente, o juiz ordens claramente que "o Estado libertar imediatamente o Sr. Wallace da custódia." Não é necessário o pedido de fiança, e ao Estado é dado 30 dias para notificar Herman se eles pretendem voltar a indiciá-lo.

Oramos para que Herman ainda pode ouvir isso muito importante a decisão que ele esperou quatro décadas para essas. Embora o Estado, sem dúvida, competição esta decisão, é isso que Herman tem se esforçado para - e, no final de sua vida, ele ganhou!

Albert Woodfox e Robert King estão reunidos na prisão esta manhã para se despedir e e, ao contrário, tem essa incrível notícia para compartilhar com Herman e talvez até mesmo ser capaz de levá-lo para casa. Para todos que é empurrado por esta vitória - obrigado - que significa o mundo para Herman.

Grécia - Prisão de dirigentes e deputados da organização fascista Aurora Dourada

No Sábado passado, a polícia grega prendeu 19 fascistas, membros do grupo neonazi Aurora Dourada, incluindo dois polícias, o líder e porta-voz deste gang, assim como o responsável da sede no bairro onde residia o assassino do cantor Pavlos Fyssas (Killiah P) . Três dos seis deputados detidos entregaram-se à polícia pouco depois da detenção dos membros da cúpula do Aurora Dourada . Estão entretanto pendentes mais prisões de 19 outros militantes desta organização nazi, somando um total de 38 mandatos emitidos pela procuradoria, entre os quais se conta o vice-presidente .
 
A acusação que pende sobre todos eles é a de fazerem parte de uma organização criminosa , tendo cometido vários assassinatos ou tentativas de homicídios, assaltos, agressões, atentados com explosivos, envolvimento no tráfico de seres humanos, chantagem, extorsão, suborno, lavagem de dinheiros e outros crimes financeiros .
Sajtzat Lukman, imigrante paquistanês foi outra das vítimas do batalhão de assalto deste gang .
 
Na ordem de prisão faz-se alusão à cumplicidade com oficiais da polícia grega, empresários da noite e toda a sorte de capangas .
 
Na casa do líder desta organização nazi foram descobertas várias armas .
Depois dos últimos acontecimentos que culminaram com o assassinato de Killih P ex membros do Aurora Dourada referiram o carácter da estrutura militarizada do gang, admitindo a existência de batalhões de assalto e falanges armadas, constituídas por cerca de 3000 fascistas . Quase em simultâneo com estas declarações, vários oficiais superiores da polícia demitiram-se ou foram suspensos das suas funções, entre eles o chefe da delegação do Bairro onde ocorreu o assassinato mais recente.
 
 
Amanhã, os presos fascista ser ao presentes a Tribunal .

Assina a petição para que o Egipto abra a fronteira de Rafah e rompa o bloqueio de Gaza


Compañerxs, amigxs,

La situación del bloqueo sobre Gaza empeora día a día. Hasta un bebé palestino ha muerto en brazos de su madre. Os mando el link de un vídeo de la periodista española Isabel Pérez, cuyo visionado os recomiendo...
 
Y os pido también que por favor firméis y difundáis esta petición a través de Avaaz.
Como la mayoría sabéis, estoy pendiente de conseguir el permiso egipcio para poder desplazarme y entrar en Gaza. Como véis, una cosa es llegar a la frontera y otra poder pasar. Os mantendré informadxs.
Salut-accions,
Maria del Mar Fernández
a la espera de poder entrar en Gaza

Etiquetas

Arquivo