CMA-J

Colectivo Mumia Abu-Jamal

Leonard Peltier solidariza-se com a luta de standing rock


Leonard Peltier solidariza-se com a luta de standing rock.
Pediram-me para escrever uma declaração de solidariedade com o campo das pedras sagradas em standing rock (Rocha que perdura). Obrigado por esta grande honra. Tenho que reconhecer que para mim, é muito difícil começar a escrever este comunicado, já que os meus olhos ficam tão embaçado com lágrimas e meu coração se enche de orgulho, enquanto arrepios correm por meu pescoço e as costas. Estou muito orgulhoso de todos vocês, dos jovens e outros que estão lá.
Estou grato por ter sobrevivido para ver o renascimento da nação sioux unida e invicta em standing rock, resistindo ao oleoduto venenoso que ameaça a fonte de vida dos rios Missouri e Mississippi. É uma honra estar vivo para ver que isso acontece, impulsionado por vocês, jovens. Para mim, vocês são pessoas maravilhosas.
Foi um caminho longo e difícil durante estes 40 anos de estar enjaulado por um sistema desumano por um crime que não cometi. Não poderia ter sobrevivido física ou mentalmente, sem o vosso apoio, e agradeço do fundo do meu coração e a profundidade da minha alma por me animar a aguentar e manter uma resistência espiritual e jurídica.
Agora estamos chegando ao final desse caminho, antes de chegar a um destino que será determinado, pelo menos em parte, por vocês. No sentido do que Martin Luther King disse um pouco antes de morrer, talvez não chegar lá com vocês, mas eu só espero e rezo para que a minha vida e, se necessário, a minha morte, levem os meus povos nativos mais perto A Terra Prometida.
Não me refiro aqui à terra prometida da Bíblia cristã, mas sim às modestas promessas nos tratados que nossos antepassados fizeram perante inimigos empenhados em sua destruição, a fim de que pudéssemos sobreviver como povos diferentes e viver de uma maneira digna. Os nossos antepassados sabiam o valor das palavras escritas e as leis para o homem branco, da mesma forma que conheciam as medidas que os invasores seriam para contornar.
Os nossos antepassados não beneficiaram destes tratados, mas com astúcia e persistência, acordaram os melhores termos que puderam obter, para proteger-nos das guerras que só poderia acabar em nossa destruição, apesar do valor e eficiência com que lutamos. Não. Os tratados foram para o benefício dos "Americanos". essa nação recém chegada precisava dos tratados para colocar um verniz de legitimidade sobre sua conquista da terra e sobre a sua revolta contra o seu rei e os seus próprios compatriotas.
Há que recordar que standing rock era o sítio, em 1974, do congresso do movimento indígena internacional que se espalhou por todo o continente americano e mais além, o ponto de partida da declaração dos direitos dos povos indígenas das nações Unidas. A Undrip foi resistido pelos Estados Unidos durante três décadas até sua adoção pela ONU em 2007. Estados Unidos foi um dos quatro países que votaram contra a ratificação. O Presidente Obama a reconhece como um documento de aspirações sem força vinculativa nos termos do direito internacional.
Alguns dos líderes do movimento atual são veteranos da resistência de 1970 em pine ridge, e compartilham da sabedoria dos nossos idosos em cobrar o simbolismo moral e político de protesto pacífico de hoje como algo necessário para nós, da mesma forma Que era necessário para o povo de pine ridge na década de 70., a ocupação de 71 dias de wounded knee (joelho ferida) terminou com um acordo para investigar os abusos de direitos humanos e tratados; aquela investigação nunca se Levou a cabo e a promessa nunca foi honrada pelos Estados Unidos.
O acordo de wounded knee deve ser honrado com uma comissão de verdade e reconciliação estabelecida para examinar cuidadosamente o papel do governo americano no "Reino do terror" na reserva pine ridge na década de 70. Este projeto deve ser coordenado com A Cooperação de várias organizações internacionais de direitos humanos que chamaram a minha libertação imediata e incondicional durante mais de quatro décadas.
A vocês jovens, devo dizer-vos que tenham cuidado porque estão enfrentando a um grupo de gente maliciosa, cujo único interesse é encher os bolsos com ainda mais ouro e riqueza. Não importa quantos de vocês tenham que matar ou enterrar em uma cela de prisão.
Não se importam que sejas criança ou a avó. Além disso, vocês têm que saber que eles estão recrutando para nosso próprio povo para ser delatores e traidores. Procuram os bêbados, os drogados e os abusadores de crianças, para os que abusam dos nossos idosos e nossos filhos e filhas; procuram às pessoas de mente fraca. Há que ser cauteloso e não acusar ninguém falsamente só com base numa opinião pessoal; tem que ter provas. Sejam inteligentes.
Peço a todos os meus seguidores e aliados juntar-se à luta em standing rock, no espírito de resistência espiritual e pacífica e a trabalhar juntos para proteger a unci renham, a avó terra. Também faço um chamado aos meus seguidores e a todas as pessoas que compartilham esta terra para se juntar para insistir em que Estados Unidos honre e cumpra com as disposições do direito internacional expressas na undrip, nos tratados internacionais de direitos humanos e nos tratados e Acordos de confiança, negligenciados durante muito tempo, com a nação sioux.
Em especial chamou a Jill Stein e aos partidos verdes dos EUA. U. E o mundo a juntarem-se a esta luta, exigindo a minha libertação e a adopção da undrip como o novo quadro jurídico das relações com os povos indígenas.
Por último, peço também aos meus seguidores para ligar de imediato e de forma urgente ao presidente obama para conceder o meu pedido para a misericórdia, a qual me permitirá viver os meus últimos anos na reserva da montanha da tartaruga. Muitos académicos, líderes políticos, humanitários e vencedores do Prêmio Nobel da paz exigiram a minha libertação há mais de quatro décadas.
O meu pedido de clemência solicita ao presidente obama comutar, ou acabar, minha condenação agora mesmo, para que a nossa nação possa avançar na cura de seus relacionamentos fracturadas com as comunidades nativas. Ao enfrentar e lidar com as injustiças do passado, juntos podemos construir um futuro melhor para nossos filhos e os filhos dos nossos filhos.
Mais uma vez, meus mais sinceros agradecimentos vão todos vocês por trabalhar juntos para proteger a água. Água é vida.
No Espírito de cavalo louco,
Doksha
Leonard Peltier
Envia ao nosso irmão um pouco de amor e luz: Leonard Peltier, 89637-132, USP Coleman I, po box 1033, coleman fl 33521.
Esta mensagem apareceu pela primeira vez em counterpunch.

Exigimos atenção médica para Mumia Abu-Jamal agora !


Exigimos atenção médica para Mumia Abu-Jamal agora !

Prison Radio
http://eepurl.com/cfDlfc NEW LEGAL ACTION filed in Mumia Abu-Jamal's case for Medical Care

Mulheres Rumo a Gaza - Free Palestine



A Flotilha de mulheres rumo a Gaza está prestes a chegar a Messina, última escala antes de sair rumo a Gaza. Neste vídeo da Telesur podes ver como está evoluindo o trajecto .

O caso legal para bloquear a Dakota Acesso Pipeline


"O caso legal para bloquear a Dakota Acesso Pipeline

In The Atlantic
Será que o governo dos Estados Unidos vai destruir um importante sítio arqueológico Sioux?
Para ouvir o Standing Rock Sioux Tribe contá-la, um antiquado roubo de terras americanas acontecido no início
desta semana na zona rural de North Dakota.
Membros da tribo e centenas de outros povos nativos foram protestando contra a construção do gasoduto Dakota Acesso desde abril. 

Quando construído, o gasoduto vai esticar mais de 1.100 milhas de campos de petróleo em North Dakota a uma porta rio em Illinois.

A tribo alega que o gasoduto de que ativistas do clima retratam como uma sequela para Keystone XL -Pode ameaçar a sua fonte de água único e que, mais importante, eles não foram consultados antes foi aprovado o pipeline.  
Apesar da natureza newsy dos protestos, o julgamento se arrastava para a frente em um tribunal federal americano desde julho, com o juiz de pesagem reivindicações da tribo contra aqueles do réu, o Corpo de Engenheiros do Exército. (O Corpo é a agência federal que aprovou o pipeline.) Mas de acordo com o Standing Rock Sioux, esses processos judiciais padrão recebeu uma emenda cruel e sem precedentes no chão no fim de semana.
Como parte do julgamento em curso, a equipe jurídica para o Standing Rock Sioux Tribe apresentou documentos ao tribunal na sexta-feira que certificou uma de suas principais reivindicações no caso: que o gasoduto vai passar e provavelmente destruir locais de sepultamento nativos e lugares sagrados.
Estes documentos forneceu algumas das primeiras evidências de que as autoridades do Estado tinha perdido grandes descobertas arqueológicas no caminho do gasoduto. Por exemplo, eles descreveram uma grande pedra recurso que mostrava a constelação Iyokaptan Tanka (Ursa Maior) -um sinal de que um grande líder, provavelmente um chefe altamente respeitado, foi enterrado nas proximidades.
"Esta é uma das descobertas arqueológicas mais significativas em North Dakota em muitos anos", disse Tim Mentz, um membro do Standing Rock Sioux e uma arqueóloga nativo de longa data nas Grandes Planícies. "[Dakota Acesso Pipeline] consultores teria de andar literalmente diretamente sobre alguns desses recursos.No entanto, a revisão trabalho de levantamento de DAPL, parece que eles não examinar de forma independente nesta área, mas se baseou em uma pesquisa de 1985 ».
Estes achados recém-descobertos pode não existir mais. A tribo e sua equipe legal dizer que menos de 24 horas após a prova dos novos locais sagrados foram fornecidos ao tribunal, a empresa Dakota Acesso começou a construção nesses mesmos locais exatos, talvez destruindo muitos deles para sempre. Dakota acesso e do Corpo de Engenheiros do Exército não respondeu a um pedido de comentário.
O caso é especialmente notório porque o Standing Rock Sioux estavam buscando uma liminar para suspender a construção. Em vez de esperar por um veredicto do tribunal, Dakota acesso foi em frente e destruiu muitos dos sites. Na terça-feira, o juiz do caso concedeu uma ordem de restrição de emergência impedindo novas construções, mas ele permitida alguma construção em que os locais tinham sido descobertos.  
Se as alegações do Standing Rock Sioux estão corretas, então o caso tem poucos precedentes, especialistas legais dizem. Advogados mandados judiciais, porque eles querem preservar o status quo durante o julgamento. Alterar o status quo, enquanto um teste está em andamento frustra norma federal de direito. Um professor de Direito comparou-a de Nova York promotor imobiliário Harry Macklowe demolição da meia-noite de vários hotéis em 1985 , uma medida para contornar a lei municipal que eventualmente custar-lhe US $ 2 milhões ($ 4,4 milhões em 2016 dólares).
Em muitos relatos da mídia, a história da Dakota Acesso Pipeline (DAPL) tem-se centrado sobre as alterações climáticas. Faz sentido: ativistas do clima em todo o país estão se esforçando para bloquear a nova extracção de combustíveis fósseis, de modo a evitar futuras emissões de carbono, e se a Sioux obstruir sucesso o pipeline de ou criar pressão política suficiente para a Casa Branca para cancelá-lo, então companhias de petróleo terão de enfrentar mais um obstáculo para a exportação da commodity. activismo do clima também fornece a tribo com uma ampla coalizão, de âmbito nacional de apoio.

Mas há um risco nesta ampla exposição: Permite Dakota Acesso a saia sobre as questões jurídicas subjacentes. Quando a Câmara de Comércio condenou a tribo Standing Rock, ele se refere a eles como "ubiquitously manifestantes anti-energia". A organização nunca mencionou que muitos dos manifestantes são de comunidades nativas ou nações.
Isso pode parecer particularmente estranho quando você considera a história da região. A terra sob o gasoduto foi concedido aos povos de Sioux por o Tratado de Fort Laramie em 1868 . Onze anos depois, o governo dos EUA incitaram e ganhou o Grande Guerra Sioux , e "renegociado" um novo tratado com o Sioux sob ameaça de fome. Nesse documento, a tribo cedeu grande parte das terras Laramie, incluindo Black Hills de Dakota do Sul, onde muitos brancos acreditavam que haja ouro.
Nas décadas que se seguiram, outros terrenos anteriormente controlada pela Sioux foi repartido pelo governo federal como herdades para famílias nativas;quando essas explorações falhou, o governo muitas vezes recuperados a terra. E em 1980, a Suprema Corte decidiu que as Black Hills foram levados injustamente, e ordenou que o governo dos Estados Unidos para compensar as tribos Sioux bastante para eles. Mas a Sioux recusou o pagamento- que ainda se senta nas contas do Tesouro dos EUA, ganhando interesse -porque eles procuram posse ou co-propriedade da terra em si.
Claro, essa história não responde cuja terra é realmente: a lei americana ainda respeita a lógica subjacente da " doutrina da descoberta .", A idéia de que os cristãos europeus poderiam reivindicar a terra, se eles foram os primeiros a documentar Mas é um reconhecimento parcial da dolorosa história de ocupações de terras coloniais que a lei federal moderna concede determinados direitos a grupos nativos. Desde 1992, um desses direitos poderia ser descrito como odireito de ser consultado : Sempre que uma agência federal compromete-se ou aprove um projeto de construção, deve consultar com nações indígenas locais ou tribos sobre se locais sagrados ou locais estão nas proximidades. Este direito deve ser respeitado mesmo se o projeto não é terra perto de reserva.De fato, em um pouco de Federal regra de tomada de pena ler na íntegra, o comitê que supervisiona preservação histórica em nome do Congresso decreta explicitamente que "os regulamentos exigem que as agências federais para consultar com tribos indígenas quando eles atribuem significado religiosoe cultural a uma propriedade histórica independentemente da localização dessa propriedade " :


As circunstâncias da história pode ter resultado em uma tribo indígena agora a ser localizado a uma grande distância de suas terras ancestrais e locais de importância . Também é importante notar que, enquanto uma tribo indígena não pode ter visitado um hotel histórico no passado recente, sua importância para a tribo ou o seu significado como uma propriedade histórica de significado religioso e cultural pode não ter diminuído para fins da Seção 106.
Crucialmente, assim, as agências federais devem aprovar projetos de uma forma "de governo a governo". A tribo local não é suposto ser empurrado no final de um carimbo de borracha, mas incluiu todo o processo como um corpo colaborativo.
É este direito no direito de ser consultado, que o Standing Rock Sioux e sua assert equipe jurídica foi violado. O Corpo de Engenheiros do Exército devem aprovar e permitir que qualquer gasoduto interestadual. A tribo alega que não só foi o licenciamento de Dakota Acesso apressado, mas também que a própria tribo não foi incluído como parceiros por meio do processo de levantamento histórico.Apenas perto do final do processo, quando a aprovação parecia inevitável, fez as autoridades do Estado de North Dakota aproximar a tribo com um par de áreas de preocupação. Eles não apresentaram planos para o gasoduto no início, como as negociações de governo a governo deveria acarretar.
Os argumentos da tribo são reforçadas por duas outras leis supostamente quebradas. Se o gasoduto já vazou ou quebrou, poderia derramar no Rio Missouri montante do grande centro populacional da tribo. O rio Missouri é também única fonte da tribo da água. Porque o corpo do exército não conseguiu envolver a tribo em sua permitir, ele poderia ter violado a Lei da Água Limpa e da Lei Nacional de Política Ambiental.
"Estas são reivindicações válidas e, como alegado, eles são fortes reivindicações", diz Sarah Krakoff, professor de recurso ambiental e lei indiana na Universidade de Colorado Boulder. "Estes [disposições federais] são destinados a retardar este processo para baixo, para que eles possam garantir que o processo de decisão ambiental direito está a ser feita."
Ela acrescentou, "a Lei da Água Limpa tem disposições substantivas que preferem bons resultados ambientais para o mal. E a proximidade do gasoduto para a sua principal fonte de água faz o seu caso legal forte do que alguns que já vi. "
A situação jurídica ainda poderia crescer mais difícil para o corpo. No mês passado, a Casa Branca ordenou que as agências federais a considerar os custos ambientais de gases de efeito estufa ao rever um projeto federal sob a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente (NEPA). A administração Obama tem sido insinuando que as agências federais devem tomar as alterações climáticas em consideração nos planos como estes desde 2014."

Criam doença e vendem a cura

Mariachi
SERIA SÓ TEORIA DA CONSPIRAÇÃO?
Já imaginou se a maior empresa de pesticidas fosse comprada pela maior produtora de medicamentos?
Pois o casal-perfeito do capitalismo acabou de ser formado.

A Arte como arma contra a destruição do planeta


Arte de Josh Yoder do museu de história natural em Nova York. " o museu de história natural está com o pé rock tribo sioux em oposição ao dakota acesso pipeline.


Denunciamos a pipeline company é destruição de cemitérios indianos e sua violenta negociações com água pacífica protetores. Afirmamos a tribo é tratado direitos, soberania, tribal e a proteção das terras indígenas, águas, culturais e locais sagrados.

Em um momento em que o consenso científico nos diz que devemos parar de queima de combustíveis fósseis para evitar o pior impactos da mudança climática -- Impactos senti primeiro e pior pelo mais vulneráveis e marginalizados -- Agora é a hora de investir em infra-Estruturas de energia limpa Não, oleodutos.

Honramos o corajoso liderança da tribo sioux standing rock, os protetores nos acampamentos, e dos povos indígenas em todo o mundo que está a tomar uma posição para os rios e florestas, terra e céu, nossos filhos, e os filhos de nossos filhos. "


To the people of Standing Rock, with love, peace, and prayers. “How The Protectors Defeated The Black Snake” -Art Alley, Rapid City, SD, by Tyler Read #NoDAPL


Amy Goodman alvo de mandado de detenção por cobrir protesto


Em Diário  Liberdade
O estado do Dakota do Norte emitiu um mandato de detenção contra a apresentadora e produtora do Democracy Now, para responder à acusação de invasão de propriedade privada.
Na reportagem em causa, emitida a 3 de setembro e retransmitida pelos grandes canais televisivos norteamericanos, mostrava-se como os seguranças da empresa construtora do Dakota Access Pipeline atacavam os manifestantes com gás pimenta e com cães.
“Esta é uma violação inaceitável da liberdade de imprensa”, afirmou Amy Goodman ao Democracy Now, acrescentando que “estava a fazer o meu trabalho ao noticiar que os guardas do oleoduto estavam a lançar cães e gás pimenta contra os índios americanos que protestavam”.
A contaminação ambiental e a violação da declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas são alguns dos argumentos invocados pelos opositores a este projeto de oleoduto com quase dois mil quilómetros, um projeto financiado pelo Goldman Sachs, HSBC e Bank of America, entre outras entidades finaceiras.

http://www.democracynow.org/2016/9/12/north_dakota_v_amy_goodman_arrest



Frontlines

O FREEDOM THEATRE NO PORTO


O FREEDOM THEATRE NO PORTO
12 a 18 de setembro
No Palácio do Bolhão

Ouvi-te no quarto ao lado perguntar, “Mamã, eu sou Palestiniano?” Quando ela respondeu ‘Sim’ um silêncio pesado caiu sobre toda a casa.

Ghassan Kanafani
Portugal Palestina é uma mostra multidisciplinar de cultura palestiniana que inclui teatro, workshops, debates, cinema e artes plásticas e que enquadra a apresentação do Freedom Theatre no Porto.
O Freedom Theatre da Palestina é um centro cultural e comunitário no Campo de Refugiados de Jenin, na Cisjordânia ocupada, que dinamiza uma escola e companhia profissional de teatro, e que é codirigido por Micaela Miranda, actriz e encenadora portuguesa formada em Interpretação na ACE Escola de Artes.
Freedom Theatre apresentará Regresso à Palestina, espetáculo criado a partir das histórias reais contadas por habitantes do Campo de refugiados de Jenin, Fasayel, Campo de Refugiados de Dheisha, Mufaqara e Shujaya (Gaza), e Kanafani, uma criação com os alunos do terceiro ano da Escola do Freedom Theatre, encenada por Ahmad Tobasi, com inspiração na vida e obra de Ghassan Kanafani.
Paralelamente, esta Mostra pretende dar a conhecer outros criadores portugueses que, sob o ponto de vista artístico, têm uma relação íntima com a cultura e a identidades palestinianas.
Assim, a programação de cinema, com curadoria do casal luso-palestiniano de realizadores, Frederico Beja e Dália Abuzeid, incluirá os documentários de sua autoria Against The Wall, sobre o muro de separação, e Remember Us sobre os refugiados Palestinianos na Jordânia. Incluirá ainda, entre outros, Journey of a Freedom Fighter, documentário sobre um membro da resistência em Jenin que trocou a M16 pelo Freedom Theatre e foi uma dos primeiros alunos daquela escola. Integra ainda a programação de cinema, o documentário Road Map To Apartheid, com co-autoria da Luso-Sul Africana Ana Nogueira, que estabelece um paralelismo entre as (antigas) formas de segregação sul-africana e Israelita.
Na sala D. Maria II, a artista plástica Joana Villaverde apresenta a vídeo-instalação 3AM Birzeit December 2015, criada a partir de uma das suas múltiplas residências artísticas na Palestina.
No dia 16 de setembro, a eurodeputada portuguesa Marisa Matias (presidente da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com os Países do Maxereque), dinamizará uma conversa sobre a Palestina que contará com a presença de Nabeel Al-Raee e Micaela Miranda (membros do Freedom Theatre), de Frederico Beja (realizador), Ivan Gonçalves (vice-presidente do Grupo parlamentar de Amizade Portugal-Palestina) e de Frank Barat (coordenador europeu da campanha BDS –Boicote/Desinvestimento/Sanções e membro do Tribunal Russel sobre a Palestina).
Finalmente, no sábado, terá lugar o lançamento no Porto de Amigos do Freedom Theatre, iniciativa que procura apoiar o trabalho da estrutura criando uma plataforma de intercâmbio cultural entre o Porto e a Palestina .

O Teatro do absurdo nas eleições americanas



O Teatro do absurdo

Por Mumia Abu-Jamal
Quando eu era um jovem pantera, um francês -- de estatura baixa, calvo e com olhos azuis -- veio visitar nossa sede em Berkeley, Califórnia. O chefe de gabinete do Partido Panteras Negras, David Hilliard,  cumprimentou-o brevemente e depois  pediu-me para acompanhá-lo em aos gabinetes para que ele pudesse conhecer os outros panteras.

O francês se chamava Jean Genet, mas eu não tinha ideia da importância disso. David me deu um pequeno volume intitulado 'The Blacks' (os negros), com o nome Jean Genet anotado como o dramaturgo. Consultei a contracapa para saber mais.

A Obra ' Negros ' foi descrito como um exemplo do que se chamava ' o teatro do absurdo '.

Veio-me à memória essa descrição na semana passada quando observei os desajeitados esforços de dois políticos brancos americanos, Hillary Clinton e Donald Trump, para denegrir o oponente como o pior racista .

Pareciam um menino e uma menina da primária amargurando na caixa de areia: RACISTA! Fã! Eu não sou! Sim você é! (só faltava o último insulto: " a tua mãe..." mas talvez isto virá.)

O que poderia ser mais ridículo?

Para dizer a verdade, os americanos brancos têm esculpido e apoiado uma estrutura de separação total durante séculos. Até à data, vivemos em dois mundos e dois espaços mentais muito diferentes: um privilégio e outro de privação.

Mas enquanto observamos a decomposição do capitalismo em seu aspecto implacável 'cão come cão', parece que o racismo é apenas uma palavra, uma coisa, um brinquedo, para lançar ao ar antes das eleições, e esquecer o dia depois. Nenhum dos dois políticos tem uma solução porque isso é maior, mais profundo e mais verdadeiro que os dois.

Desde a nação encarcerada sou Mumia Abu-Jamal.
-© ' 16 maj
28 Agosto 2016

De Barcelona a Gaza: flotilha das mulheres luta contra bloqueio israelita



Em 14 de setembro, a flotilha, composta por mulheres, começa sua viagem do porto de Barcelona para a Faixa de Gaza. A Sputnik Mundo falou com duas membros da organização ‘Mulheres rumo a Gaza’ (Women’s Boat to Gaza), que visa quebrar o bloqueio naval do território palestino por Israel.
Jaldía Abubakra nasceu em uma família palestina em Bersebá, que é agora território israelense, e viveu 30 anos em Madrid. Ela é uma das tripulantes da flotilha 'Mulheres rumo a Gaza', e com sua participação na campanha ela quer mostrar sua "solidariedade com a população de Gaza, sobretudo as mulheres". "Vamos acordar as consciências de toda a humanidade para chamar a atenção e denunciar o bloqueio criminoso da Faixa de Gaza, que já dura quase 10 anos", disse Jaldía. As ativistas navegarão para Gaza em dois veleiros, chamados Amal (Esperança) e Zaytuna (Azeitona). Estas embarcações farão parte da flotilha que procura romper o bloqueio de Gaza. Ao mesmo tempo, as participantes da campanha entendem as dificuldades que a flotilha terá de enfrentar. ​Chamberlain, uma israelense que vive na Andaluzia, em Espanha, se juntou à ação em 2011, quando navegou para Atenas no "Gernika", um barco espanhol que participou da Segunda Flotilha da Liberdade. A coordenadora disse à Sputnik que o principal objetivo da iniciativa é enviar uma "mensagem de solidariedade e apoio às mulheres palestinas, que estão lutando contra a ocupação de seu povo". A israelense está há décadas comprometida com a defesa do povo palestino e diz que "se autorizarem nossa chegada à Faixa de Gaza, será uma grande alegria para as pessoas que vivem em bloqueio ilegal e desumano. Ao mesmo tempo, Israel não será prejudicado com isso". ​As tripulações dos dois barcos são compostas exclusivamente por mulheres: desde as tripulações dos veleiros às jornalistas que acompanham a flotilha para cobrir o evento – a bordo do Amal e do Zaytuna não haverá nenhum homem. © AFP 2016/ AHMAD GHARABLI Mulheres palestinianas protestam em frente da Cúpula de Rocha em Jerusalém Oriental, 27 de setembro de 2015 A campanha 'Mulheres rumo a Gaza' é uma iniciativa da Coalizão Internacional da Flotilha da Liberdade, fundada em 2010. A Flotilha da Liberdade está lutando contra o bloqueio à Faixa de Gaza e realizou numerosas ações de solidariedade com a Palestina. Os ativistas sublinham que suas ações contra o bloqueio são sempre baseadas nos princípios da não-violência e da resistência pacífica.

Liberdade para Leonard !

Ontem, 12 de setembro foi o 72º aniversário do guerreiro espiritual Leonard Peltier, preso desde 1976, o grande crime de defender seu povo. Liberdade para Leonard!

Em Janeiro passado Mumia Abu-Jamal escreveu a seguinte mensagem de apoio:
Liberdade e atenção médica para Leonard Peltier!

Por Mumia Abu-Jamal.
Durante 40 anos o activista do movimento indígena americano (aim), Leonard Peltier, permaneceu nas garras do sistema prisional dos Estados Unidos -- na "casa de ferro dos brancos", assim chamada por vários grupos Indígenas, fabricados sob acusações de homicídio.

Agora que ele sofre de problemas de saúde de uma aneurisma da aorta abdominal, o tempo já não está do seu lado. A Aneurisma, diagnosticada há poucas semanas, ameaça a sua vida. Por isso, os defensores do Leonard exigem com urgência a sua liberdade para evitar que morra na casa de ferro.

Há décadas quando Bill Clinton era presidente, ele visitou o povo de pine ridge no estado de Dakota do Sul, onde o Leonard tinha vivido. Disse à gente aí: "digam ao Leonard que não me esquecerei dele".

A promessa de Clinton acabou por ser tão vazia que a promessa de qualquer político. Gás. Ar. Vento. Pois, parece que se esqueceu, não?

Peltier definha na casa de ferro enquanto as longas décadas passam. Escreveu. Pintou. Esperava a justiça branca. Ainda à espera.

Os adeptos pedem que todos escrevam ao Bureau Federal de prisões (Bop, na sigla em inglês) para exigir atenção médica e liberdade para o Leonard.

O Comité Internacional para a defesa de Leonard Peltier solicita o envio de cartas e telefonemas para www.bop.gov/inmates/concerns.jsp.

Façam referência ao Leonard Peltier #89637-132 e a sua prisão actual usp coleman 1.
E agora que penso nisso porque não escrevem à casa branca para exigir clemência executiva? Leonard Peltier precisa de liberdade agora, e os povos indígenas precisam que ele volte para casa.
Desde a nação encarcerada, sou Mumia Abu-Jamal.

Recordando Tupac

Recordando TUPAC. 16 -junho- 1971...13- setembro-1996.

Dezenas de municípios espanhóis declaram-se "Livres de Apartheid Israelita"


Dezenas de municípios espanhóis declaram-se "Livres de Apartheid Israelita"

Palestinian BDS National Committee -- September 8, 2016

Cadiz, capital provincial da comunidade autónoma da Andaluzia no Estado espanhol, tornou-se o mais recente município a aprovar a moção de apoio ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) pelos direitos dos palestinianos e a declarar-se "Zona Livre de Apartheid Israelita".

Com uma população de 120 mil habitantes, Cadiz juntou-se às mais de 50 cidades e vilas espanholas que votaram para declarar-se espaços livres de apartheid israelita. Outros célebres municípios Livres de Apartheid incluem Gran Canaria, Santiago de Compostela, Gijón, Sevilha, Córdoba e Santa Eulália em Ibiza.
 
Inspirada em parte na campanha semelhante realizada durante a luta contra o apartheid na África do Sul, nos anos 1980, a campanha Zona Livre de Apartheid, liderada pela Rede de Solidariedade contra a Ocupação da Palestina (RESCOP), tem por objectivo criar "ilhas de consciência política" e romper laços locais com o regime de ocupação, de colonização e apartheid de Israel, assim como com empresas e instituições internacionais cúmplices das violações do direito internacional por Israel.
 
A campanha, que é apoiada por movimentos sociais, grupos comerciais, escolas, órgãos de comunicação social e instituições públicas do Estado espanhol, criou um mapa indicativo dos espaços livres de apartheid israelita.
 
Ao declararem-se Zonas Livres de Apartheid, as autoridades municipais concordam em boicotar empresas cúmplices das violações do direito internacional e dos direitos dos palestinianos, assim como em romper os laços com o regime israelita e as suas instituições cúmplices. Também apoiam os esforços de consciencialização locais e comprometem-se com políticas conscientes baseadas nos direitos humanos do povo palestiniano.
 
Riya Hassan, coordenador europeu do Comité Nacional de BDS palestiniano (BNC), declarou:
"A campanha Zonas Livres de Apartheid Israelita por todo o Estado espanhol está a inspirar esforços semelhantes noutros países. O facto de essas declarações terem sido votadas por municípios democraticamente eleitos reflecte o apoio crescente ao movimento BDS pelos direitos dos palestinianos, não apenas ao nível das organizações de base, mas também no seio dos governos. Isto acabará por levar a opinião pública a defender as sanções contra Israel até que este país ponha fim à opressão sistemática dos palestinianos".
 
"Os governos locais do Estado espanhol estão a mostrar o caminho com um poderoso modelo de solidariedade para com o povo palestiniano e a sua luta pela auto-determinação. Saudamos todos os autarcas e activistas envolvidos em propor e defender as moções e todos os envolvidos em implementar as zonas livres de apartheid israelita."
 
"Numa altura de crescente déficit democrático no continente europeu, é encorajador vermos como cidadãos estão a integrar a solidariedade com os palestinianos com acções locais para promover a justiça social, económica e ambiental".
 
 
Ataques a um movimento pela liberdade, justiça e igualdade
 
O crescente apoio público ao movimento BDS pelos direitos humanos dos palestinianos levou Israel e os seus aliados a lançarem um ataque inédito, consistente e anti-democrático contra todos os que aspiram a que Israel tenha de prestar contas perante o direito internacional e as resoluções da ONU, em particular através da divulgação da BDS.

Os ataques patrocinados por Israel contra o movimento BDS têm como objectivo pressionar os governos e parlamentos a travar as acções cívicas e a adoptar medidas repressivas que a longo prazo espezinham as liberdades cívicas e políticas dos seus próprios cidadãos.

No Estado espanhol, tentativas de silenciar o movimento BDS, em particular a um nível institucional, têm sido lideradas pelo ACOM, um grupo de lobby pró-israelita sediado em Madrid.
 
A ACOM lançou uma quantidade de acções legais contra os municípios que se declararam Zonas Livres de Apartheid.
 
No entanto, a estratégia de intimidação da ACOM não tem tido êxito. Os municípios visados têm defendido o resultado democrático dos votos, e tribunais informados, como o Tribunal Administrativo de Gijon, recusaram aceitar as queixas da ACOM.
 
Acções legais semelhantes foram interpostas contra municípios do Reino Unido pelo chamado Observatório Judeu dos Direitos Humanos (Jewish Human Rights Watch), um grupo de lobby sediado em Londres. Também aí, o Tribunal Supremo do RU rejeitou as queixas e pronunciou-se a favor das três autarquias que aprovaram resoluções de apoio a boicotes contra a ocupação israelita.
 
A RESCOP comentou numa declaração:

"É intolerável que uma entidade estrangeira que defende um sistema de apartheid, como a ACOM, interfira na soberania democrática dos nossos municípios, ditando-nos o que devemos votar a favor ou contra e impedindo as nossas instituições de se comprometerem com os direitos humanos."
 
Esta última decisão da cidade de Cadiz de se juntar à vaga inspiradora de outras cidades e vilas espanholas declarando-se zonas livres de apartheid israelita é um sinal de que cidadãos e representantes eleitos não estão intimidados pelas ameaças judiciais da ACOM.
 
"Ao apoiarem o movimento BDS pelos direitos dos palestinianos e ao escolherem não se envolverem com instituições e empresas directamente envolvidas nos monstruosos crimes de Israel contra o povo palestiniano, as pessoas de consciência e as autarquias pela Espanha fora estão a dar um passo concreto para fazer com que Israel seja responsabilizado pelos seus crimes contra o povo palestiniano", concluiu Riya Hassan.

Numa recomendação histórica, o Provedor de Justiça defende a revisão do PER



Numa recomendação histórica, o Provedor de Justiça defende a revisão do PER

O Provedor de Justiça recomendou ao Governo, no final de Agosto, a revisão do Programa Especial de Realojamento (PER) de 1993, por ser considerado um instrumento "manifestamente desactualizado" e propôs um série de medidas que vão no sentido de dar uma resposta condigna às pessoas envolvidas.

Esta recomentação surge na sequência da apresentação, em Julho de 2012 de queixa colectiva apresentada pela Habita, e de um pedido de averiguação dos factos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos no que concerne aos despejos e demolições realizadas pela Câmara Municipal de Amadora, no Bairro de Santa Filomena. De entre as medidas propostas na recomentação, disponívelaqui, destacam-se as seguintes:
  • Proceder a novas formas de recenseamento que permitam encontrar soluções condignas para os moradores excluídos do recenseamento inicial, tendo especial atenção aos agregados compostos por crianças, idosos e cidadãos com deficiência;
  • A afetação dos terrenos indevidamente ocupados à execução de programas de realojamento; 
  • Privilegiar a implementação de programas complementares de apoio, promovendo a habitação a custos controlados para arrendamento ou venda, com aproveitamento de fogos devolutos e incentivando o recurso ao arrendamento apoiado em concelhos limítrofes realizado de forma coordenada.
Lamentamos o facto de ao longo dos últimos anos milhares de pessoas terem sido despejadas sem qualquer alternativa por vários municípios - com o município da Amadora à cabeça -, com  grande violência e atropelos aos direitos humanos. Por isso, a esta é uma recomendação histórica, que vai no sentido para pôr cobro de um programa hoje absoluto e de defender alteração da lei e das práticas assentes na salvaguarda do direito à habitação.

Esperamos que este documento provoque uma tomada de consciência junto da Câmara Municipal da Amadora, fazendo-a suspender o processo e procurando com o Governo soluções de realojamento adequadas às pessoas Esta realidade não afecta apenas o Bairro de Santa Filomena e o 6 de Maio mas muitos outros bairros ainda existentes. 

Juiz recusa-se a tratamento para mumia Abu-Jamal que poderia curar hepatite c





Últimas notícias: Juiz recusa-se a tratamento para Mumia Abu-Jamal que poderia curar hepatite c

A campanha para levar a Mumia para casa informa:

Queridos irmãos e irmãs:
Num parecer desconcertante emitido hoje, 31 de agosto de 2016, o juiz do Tribunal Distrital, Robert D. Mariani rejeitou o pedido apresentado pelos advogados de Mumia em Agosto de 2015, a qual pediu que a corte ordenasse ao departamento de correções (doc) de Pensilvânia dar tratamento imediato a Mumia, quem sofre de hepatite c crónica e ativa., com Os medicamentos capazes de curar a doença.

O Juiz recusou o pedido por um detalhe técnico: que a demanda apresentada por mumia não nomeou os membros do Comité de hepatite c da doc, o qual, segundo o juiz, é a entidade responsável por agir neste tipo de situação. A sério, Juiz Mariani?

No entanto, o parecer do juiz alega que o doc violou a oitava alteração da Constituição Federal que proíbe os castigos cruéis e incomuns, ao negar tratamento a mumia e outros presos com hepatite c activa.

Este é mais um exemplo das contorções e acrobacias que foram utilizado desde há muitos anos para negar justiça a Mumia e milhares de outros acusados.

Um resumo do parecer escrito pelo advogado bob boyle dará mais detalhes sobre o parecer.
Vamos mandar as atualizações e informações sobre os próximos passos. Não vamos parar até que Mumia e milhares de presos com hepatite c recebam o tratamento de que necessitam.
Na luta,

Campanha para trazer para casa mumia

Etiquetas

Arquivo