CMA-J

Colectivo Mumia Abu-Jamal

Fora com a Tróika e lacaios, Todos na Rua dia 2 de Março !



27 de Fevereiro - Sessão Comemorativado 37º Aniversário da República Árabe Saharauí

Aspecto da Sessão que decorreu na sede da CGTP
 

A Água é de tod@s !

 

260213 agua                  
 

"Chegou o momento! Após meses de intenso trabalho levado a cabo por organizações e cidadãos, no próximo dia 28 Fevereiro vamos entregar a Iniciativa Legislativa de Cidadãos, com mais de 40 mil subscritores. É um momento de celebração e simultaneamente de afirmação. Nesse sentido, entendemos que a melhor forma de assinalar o culminar desta etapa, pois outras se seguirão, seria realizar uma iniciativa pública em frente ao Parlamento.
É isso que faremos. A partir das 15horas, antecedendo a entrega oficial das assinaturas, em frente à Assembleia da República daremos uma vez mais expressão à causa da defesa do direito à água e dos serviços públicos que materializam a sua realização.

Diremos «Não à privatização da água», elevando a voz dos milhares de portugueses que apoiaram esta iniciativa e dos muitos outros que sabemos discordarem da privatização deste bem público e direito humano fundamental.
Ao mesmo tempo, porque a luta pela água não termina com esta entrega, daremos início à batalha pela aprovação da nossa proposta, para a qual será necessário juntar mais e mais pessoas e mais apoios!
Estão todos convidados!
Vamos celebrar e defender a água de todos e para todos!
Vamos dar início a uma nova etapa do nosso combate!
Participa!"

Milhares em funeral de palestiniano morto em prisão israelita


in Público Por Maria João Guimarães

A questão dos prisioneiros é especialmente sensível para os palestinianos. A morte de um detido numa prisão israelita levou a protestos violentos e a imprensa do Estado hebraico repete temores de uma nova revolta palestiniana.

in Público 25.02.2013
"O funeral de Arafat Jaradat, um palestiniano de 30 anos que morreu na prisão, depois de ter sido detido por Israel por atirar pedras a israelitas ferindo um, marcou hoje um novo dia de violência.
Os palestinianos dizem que Jaradat, um homem casado, pai de dois filhos, que trabalhava numa bomba de gasolina em Hebron, foi torturado pela polícia israelita. Israel diz que os ferimentos que foram descritos na autópsia poderiam ter sido provocados por uma tentativa de reanimação (antes da autópsia, que ainda não permite conclusões, tinha afirmado que um ataque cardíaco teria sido responsável pela morte).
Enquanto milhares de pessoas assistiram ao funeral perto de uma pequena cidade na zona de Hebron (um dos pontos mais conflituosos da Cisjordânia devido à presença de colonos judaicos, protegidos pelo exército israelita, no centro da cidade, de maioria palestiniana), centenas envolveram-se em confrontos com as forças israelitas, com palestinianos a atirar pedras e os soldados a usarem gás lacrimogéneo.
Houve violência em Hebron, Belém, e Ramallah – nesta última, segundo o Jerusalem Post, 26 palestinianos foram feridos, alguns por balas reais.
A questão dos prisioneiros é das mais sensíveis para a opinião pública palestiniana. Os cerca de 4700 palestinianos que estão nas prisões israelitas são vistos como heróis. Cerca de 300 entre estes prisioneiros estão em detenção administrativa (invocando razões de segurança, Israel pode manter os detidos nas prisões durante períodos de seis meses renováveis indefinidamente), o que foi aliás um dos motivos para a última greve de fome, em Abril do ano passado.
Depois de feita a autópsia a Jaradat , o ministério da Saúde de Israel diz que não é ainda possível determinar a causa da morte. O ministro palestiniano para os prisioneiros, Issa Qaraqi, disse que este tinha sido sujeito a “tortura” na prisão de Meggido.
Enquanto isso, a imprensa israelita, os comentadores e alguns políticos estão fixados numa palavra: Intifada.
O ministro da Segurança Interna, Avi Dichter, veio avisar para o perigo de uma revolta palestiniana. “As duas intifadas anteriores ocorreram como resultado de um grande número de mortos” durante protestos, disse.
O colunista do diário Yeditoh Ahronoth Alex Fishman escreveu, no fim-de-semana, que “a auto-estrada para a intifada está aberta” e a morte de Jaradat “pode tornar-se o tiro de partida”.
No Jerusalem Post, uma análise lembrava a diferença da dimensão dos protestos das revoltas anteriores (1987-1993 e 2000-2005) para dizer que não há uma terceira intifada – ainda. Acrescentava que a questão dos prisioneiros é especialmente delicada e “os acontecimentos podem ficar fora de controlo.”
Até entre os palestinianos a palavra não era evitada. O responsável da Autoridade Palestiniana Nabil Shaath disse numa entrevista que as forças palestinianas estavam a “fazer o seu melhor para manter a calma” mas alertou: “Não sei quanto é que as pessoas podem ser contidas. Ninguém está a planear uma intifada. A questão é o grau em que estes incidentes podem levar a uma raiva que expluda”, disse.
Os palestinianos estão já frustrados com um processo de paz inexistente desde 2010, com a construção nos colonatos israelitas e ainda com as consequências da retaliação israelita pela iniciativa na ONU em que foram aceites como membro observador – que trouxe um reconhecimento mas nenhum benefício prático. Aliás, para aliviar a tensão que resultou de a Autoridade Palestiniana não estar a pagar ordenados a tempo (médicos e professores estiveram recentemente em greve) Israel recomeçou no fim-de-semana a transferir para a Autoridade Palestiniana as verbas que tinha bloqueado dos impostos palestinianos.
A Reuters diz que para além da violência nas manifestações, um factor importante para o desenrolar da situação é a saúde de quatro prisioneiros que estão em greve de fome, um dos quais tem recusado comida, de modo intermitente, nos últimos 200 dias."

Pintura Mural convoca Protesto de 2 de Março


D. Carlos na teia homófica da Igreja

"A credibilidade da OPUS GAY e de Antº Serzedelo advém do facto de terem estado na primeira linha da denúncia dos abusos sexuais de crianças na Casa Pia e noutras instituições deste país, incluindo a inacção cúmplice da Igreja Católica sobre esse tema e sobre os casos de que foram e são protagonistas membros da Igreja. Nesta teia de conspirações em torno do abuso sexual de crianças, a limpidez da voz da OPUS GAY deve ser enfatizada e respeitada."

"A Opus Gay denuncia as manobras que actualmente correm, tendo como sujeito D.Carlos Azevedo sobre a sua pretensa orientação sexual, que vem sendo exposta na praça publica a propósito de uma acusaçao de assédio sexual,nem sequer provada .Sempre defendemos que a orientação sexual de cada um era um assunto da vida privada,que nao devia ser discutido na praça publica, tornando se assim numa denuncia inapropriada contra a vontade do visado.
Com D. Carlos o que podia ser discutido era se ele mantinha ou nao, os votos de castidade que jurou manter quando foi ordenado padre,e nunca a sua orientaçao sexual,pois ser homossexual nem sequer é um pecado para a Igreja,veja se o discurso do padre Dr.Carreira das Neves.Contudo é maioritariamente sobre esta questão que se concentram as atenções e as denuncias de altos dignatários da Igreja homofobicos, de resto, com motivos escondidos que se prendem com facções do Vaticano para evitarem a eleição deste ou daquele cardeal,para Pontifice da Igreja Católica.
Alem disso ,num estado laico e republicano como o nosso, a orientaçao sexual nao é crime nem pecado civil, ou publico,nem niguem pode ser acusado disso.A forma como esta a ser travada a discussão nos orgaos de informaçao incute no público a criminalização da homossexualidade,num aproveitamento nojento pelas forças mais conservadores da sociedade civil e da Igreja, a propósito deste caso."

Samir Issawi, prisioneiro palestiniano detido por Israel, há mais de 200 dias em greve da fome

Samir Issawi, prisioneiro palestiniano detido por Israel, há mais de 200 dias em greve da fome
 
Samer Issawi, 34 anos, tinha sido libertado em Dezembro de 2011 por
Israel, assim como outros palestinianos trocados pelo prisioneiro 
israelita Gilad Shalit. Mas foi raptado seis meses mais tarde e levado
de novo para a cadeia com base num simples despacho militar israelita. Israel recusa-se a dizer quais são os motivos da sua detenção, alegando apenas que ela está ligada a informações secretas.

Segundo a Human Rights Watch, Issawi foi impedido de falar com o seu
advogado durante os primeiros 23 dias e foi interrogado durante 28 
dias seguidos. Quando foi libertado, já tinha passado 9 anos na prisão. Tinha sido condenado em Abril de 2002 a 30 anos de cadeia.

O seu caso não é único. Vários dos prisioneiros libertados em troca 
de Gilad Shalit voltaram a ser detidos.
Samer Issawi já perdeu metade do seu peso, os seus órgãos começam a 
falhar, está a perder a visão e a fala e vomita sangue.
Issawi encontra-se à beira da morte.

Tribunal Militar de Rabat sentencia duríssimas penas

 
 O ignominioso Tribunal Militar de Rabat sentenciou duríssimas penas contra os presos políticos saharauis do acampamento da Dignidade de Gdeim Izik. 9 condenações perpétuas; 4 penas de trinta anos de prisão efetiva; 7 penas de 25 anos; 3 penas de 20 anos; e libertação de dois presos por cumprimento de pena.
Cadeia Perpétua: Abdalahi Bhai, Abdeljalil Lemghaimad, Abdalahe lekhfaouni, Brahim lismaili, Lemjeid Sidahmed, Boutenghiza Mohamed Bachir, Sbai Ahmed, Hassanna Aalia, Mohamed Bani
30 anos de prisão: Enaama Asfari, Hassan Dah, Mohamed Bourial, Banga Cheikh
25 anos de prisão: Mohamed Khouna Babeit, Lafkir Mohamed Embarek, Houssein Zawi, Hadi Mohamed Lamin, Toubali Abdoullah, Daf Deich, Mohamed Juna Babeit.
20 anos de prisão: Mohamed El Ayubi( estava em liberdade condicional por doença), Bachir Jadda, Mohamed Tahlil.
Fidam em liberdade por considerarem cumprida a sentença: Abderrahman Zeyu, Taghi Almachdufi.
*Fonte: defensores saharauis de direitos humanos
Divulgado pela Associação de Amizade Portugal-Sahara Ocidental

Contra a Exploração e o Empobrecimento !

Jornada Nacional de Acção e Luta
16 Fevereiro 2013
Concentrações/Manifestações

DISTRITO
LOCAL
HORA
ACÇÃO /INICIATIVA
ALGARVE
Vila Real de Stº Antº
Praça Marques de Pombal
15:30
Manifestação
Portimão
Alameda Praça da República
15:30
Manifestação
Faro
Rotunda junto à Escola João de Deus (antigo liceu)
15:30
Manifestação
AVEIRO
Largo da Estação de Comboios de Aveiro
Desfile até ao Parque do Rossio;
15:30
Concentração
BEJA
Junto à casa da Cultura
10:30
Concentração
BRAGA
Parque da Ponte com desfile até à Avenida Central
15:00
Concentração/desfile
BRAGANÇA
Praça Cavaleiro Ferreira
15:00
Concentração
CASTELO BRANCO
Covilhã
Campo de Festas da Covilhã (trajecto: Campo de Festas – Av. Frei Heitor Pinto – Rua Comendador Melo – Praça do Município)
15:30
Manifestação
COIMBRA
Praça da República
14:30
Concentração
ÉVORA
Praça 1º Maio
10:30
Concentração
GUARDA
Largo João de Almeida - Praça de Táxis
14:30
Manifestação
LEIRIA
Concentração em frente ao Tribunal
15:00
Manifestação pelas ruas da cidade a terminar junto ao ex-edifício do Banco de Portugal
LISBOA
Largo do Príncipe Real com desfile para Praça do Municipio
15:00
Manifestação
PORTALEGRE
Largo do Café Alentejano com deslocação até ao Plátano do Rossio (sujeito a confirmação)
10:00
Concentração
PORTO
Da Praça da Batalha para a Praça da Liberdade
15:00
Manifestação
SANTARÉM
Avenida dos Forcados Amadores (junto à Segurança Social) e com deslocação até ao largo Cândido dos Reis (junto ao shopping).
15:00
Manifestação
SETÚBAL
- Praça do Brasil
- Praça do Quebedo
(com desfile para Av. Luisa Todi - Coreto)
15:00
Pré-concentrações/
Manifestação
VIANA DO CASTELO
Praça da República
10:30
Concentração
VILA REAL
Av. Carvalho de Araújo (junto à Sé)
10:30
Concentração/manifestação
VISEU
No Rossio em Viseu
14:30
Concentração/manifestação
AÇORES
Angra do Heroísmo
Alto das Covas
10:30
Concentração/manifestação
Ponta Delgada
Portas da Cidade
15:00
Concentração
Horta/Faial
Largo Duque D´Avila e Bolama
14:45
Concentração (dia 15)
MADEIRA
Funchal
Placa central da Avenida Arriaga, saindo depois a manifestação rumo à Quinta Vigia, mas passando antes pela Assembleia Legislativa da Madeira

Solidariedade com o Povo Saharauí


"A RASD legitimada, pela Resolução 1514 da Organização das Nações Unidas e reconhecida por numerosos países continua a ser alvo das mais violentas facetas do colonialismo marroquino sobre o seu povo e o seu território.
Há quase 40 anos que este povo está condenado a uma cruel repressão, com ausência total dos seus mais elementares direitos. Repressão, detenções, torturas, assassinatos e desaparecidos são o dia a dia nos territórios ocupados, testemunhados por vários observadores internacionais, nomeadamente sob a égide da ONU.

Nos acampamentos de refugiados, milhares de saharauís vivem em adversas e precárias condições dependentes da cada vez mais escassa ajuda humanitária internacional, cujas consequências são a desnutrição com particular gravidade nas mulheres gravidas e mães a amamentar e nas crianças, ao mesmo tempo que outras enfermidades como a diabetes ou a celíaca têm vindo a aumentar, num verdadeiro massacre genocida.

Os seus valiosos recursos naturais, designadamente os fosfatos, o urânio e o petróleo (ou a areia utilizada nas praias artificiais da ilha da Madeira) e os recursos marinhos, como as pescas, explorados por grandes grupos económicos marroquinos e estrangeiros, e com cumplicidades internacionais, como é o caso da UE, são sistematicamente pilhados.
 
Quando se assinalam os 40 anos da criação da Frente Polisário, dia 10 de Maio de 2013, e os 37 anos da proclamação da República Árabe Saharauí Democrática, a 27 de Fevereiro, as organizações signatárias:
Reafirmam a sua solidariedade para com a justa causa do povo saharauí, pelo seu direito à autodeterminação, a uma pátria livre e independente;
Reclamam a libertação de todos os presos políticos saharauís das prisões marroquinas;
Consideram que o mandato da Missão da ONU no Sahara Ocidental, MINURSO, deve ser alargado à observação dos direitos cívicos e políticos dos cidadãos saharauís residentes nos territórios ilegalmente ocupados pelo Reino de Marrocos, de forma a garantir a protecção dos direitos humanos,
Denunciam o saque de recursos naturais do Sahara Ocidental levado a cabo pelo Reino de Marrocos e poderosos interesses estrangeiros e exigem a revogação dos acordos comerciais com Marrocos que envolvam os recursos do Sahara Ocidental;
Consideram que uma solução justa para o conflito passará obrigatoriamente pela realização de um referendo, sob a supervisão das Nações Unidas – referendo constantemente adiado e boicotado pelo Reino de Marrocos que desta forma contraria e desrespeita o direito internacional e as resoluções das Nações Unidas relativas ao direito à livre autodeterminação do povo saharauí
Reclamam do Governo português o reconhecimento da República Árabe Saharauí Democrática e a adoptação de uma posição interventiva na ONU e em outras organizações de que faz parte contra os crimes do Reino de Marrocos, agindo em solidariedade e em coerência com o direito dos povos colonizados à autodeterminação e independência (como foi o caso de Timor Leste), no respeite do artigo 7.º da Constituição da República Portuguesa que consagra o direito dos povos a resistir à ocupação e a decidir do seu próprio futuro;
Decidem, por ocasião dos 37 anos da proclamação da República Árabe Saharauí Democrática promover uma Sessão solidária que congregue vontades para pôr fim a este verdadeiro genocídio."

 

Petróleo ameaça a paz de Tribo Indigena na Amazónia


 
"Há uma comunidade indígena no Equador, que vive numa parte da Amazônia, onde há onças pintadas e uma vida mais animal do que toda a América do Norte! É incrivelmente intocada área remota e todo o ecossistema foi preservado. Mas o governo está ameaçando entrar e procurar petróleo.

A tribo local está a resistir, mas as companhias de petróleo geralmente tentam comprar  as pessoas e acabar com a comunidade. A tribo está feliz que as pessoas de todo o mundo possam apoiá-las e fazer tal mobilização que  poderíamos salvar as suas terras. O presidente do Equador afirma estar  com os direitos indígenas e o meio ambiente, mas ele está calmamente a chegar a um novo plano para trazer especuladores do petróleo ao olhar para 4 milhões de hectares de floresta. Se podemos dizer 'espere um minuto, você é e deveria ser o presidente verde que diz que ninguém pode comprar o Equador, podemos expô-lo por estar a virar as costas aos seus compromissos como ele está lutando pela reeleição.

Ele não quer um pesadelo PR agora. Se pudermos ajudar esta comunidade um defender a sua terra ancestral e desafiar o presidente para manter a sua palavra, poderíamos fazê-lo reconsiderar todo o plano Assine a petição agora e dizer a todos - vamos ajudar a salvar a floresta bonita.:


Depois da Texaco e outras empresas de petróleo águas poluídas do Equador e irreversivelmente devastados ecossistemas preciosos, Correa levou seu país para ser primeiro país do mundo a reconhecer os direitos da "Mãe Terra" em sua constituição. Ele anunciou que o Equador não estava à venda, e no Parque Nacional Yasuni, promoveu uma iniciativa inovadora, onde outros governos pagam Equador para manter o petróleo no solo para proteger a floresta em vez de destruí-lo. Mas agora ele está prestes a vender para fora.

Chocante, a terra Kichwa é, em parte, o Parque Nacional Yasuni. Mas ainda mais chocante é maior plano de Correa - em dias os funcionários do governo começaram  uma tournê mundial para oferecer aos investidores estrangeiros o direito de perfurar em 4 milhões de hectares de floresta (uma área maior que a Holanda!) Equador, como qualquer país, pode-se argumentar que tem o direito de lucrar com seus recursos naturais, mas a própria Constituição diz que deve respeitar os direitos indígenas e suas florestas incríveis, que trazem milhões de dólares dos turistas a cada ano.

Agora, Correa está numa dura luta para ganhar um segundo mandato como presidente. É o momento perfeito para fazê-lo honra suas promessas ambientais e fazer essa constituição verde ganham vida Registe-se agora para estar com o povo Kichwa e salvar sua floresta.:


Nossa comunidade tem lutado ano após ano, para proteger a Amazônia no Brasil e na Bolívia, e ganhou muitas vitórias que estão em solidariedade com as comunidades indígenas. Agora é a vez do Equador - vamos responder a este apelo urgente para a ação e salvar a floresta."
 
Mais informação :
Equatoriana tribo recebe indulto de intrusão óleo (The Guardian)

Equador adota direitos da natureza na constituição (Direitos da Natureza)

Como a extração do óleo afeta a floresta tropical (Amazônia Watch)

Perfuração de petróleo no Éden: iniciativa para salvar floresta amazônica no Equador é incerto (Scientific American)
-in-ecuador-is-uncertain/

Os líderes indígenas do Equador se opõem aos planos de petróleo novas de exploração na região amazônica
 (Earth Island Journal)
_exploration/

Obama por Emory Douglas


A principal causa de mortalidade dos soldados israelitas é o suicídio


Num artigo publicado em Janeiro, César Chelala, correspondente do jornal australiano Middle East Times International, revela estatísticas israelitas, segundo as quais 237 soldados se suicidaram nos últimos dez anos. Este número representa uma média de 1 suicídio em cada duas semanas.

A diferença entre as estatísticas oficiais de mortes publicadas pelo exército e o número de homenagens póstumas no site oficial de comemoração "Yizkor" levou um blogger a suspeitar de que o número de suicídios no seio do exército seria muito maior do que o oficial e a divulgar novos números.

Segundo um artigo publicado no Haaretz de 31.12, "a principal causa de morte entre soldados da Israel Defense Forces, é o suicídio, segundo uma análise dos dados dos últimos três anos. Em 2011, o ano mais recente para o qual o exército dispõe de dados, 21 soldados puseram fim à vida - mais do que o número de soldados mortos em consequência de doenças, acidente de viação, acções operacionais ou outras tragédias.

Um jovem soldado israelita, Natan Blanc, recusa pela 5ª vez ser incorporado no exército de ocupação. Ele recusa-se a destruir as plantações dos camponeses palestinianos, a invadir as suas casas a meio da noite para os expulsar das suas aldeias, a reter mulheres a caminho do hospital e crianças a caminho da escola nos checkpoints. Por essa teimosia, esta a pagar com mais uma pena de prisão.

Para enviar mensagens de apoio a Natan Blanc:

QUE SE LIXE A TROIKA. O POVO É QUEM MAIS ORDENA!

Manifestações

 

Dia 2 de Março |

14:30
Praça 25 de Abril | Caldas da Rainha

15:00
Avenida Central | Braga
Embaixada Portuguesa | Londres
Praça da República | Viana do Castelo

16:00
Praça do Município | Funchal
Fonte Luminosa | LeiriaPraça Marquês de Pombal | Lisboa
Praça da Batalha | Porto

18:00
Boston Public Library | Boston
 
Que se lixe a troika. O Povo é quem mais ordena!
 
Em Setembro, Outubro e Novembro enchemos as ruas mostrando claramente que o povo está contra as medidas austeritárias e destruidoras impostas pelo governo e seus aliados do Fundo Monetário Internacional, da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu – a troika.

Derrotadas as alterações à TSU, logo apareceram novas medidas ainda mais gravosas. O OE para 2013 e as novas propostas do FMI, congeminadas com o governo, disparam certeiramente contra os direitos do trabalho, contra os serviços públicos, contra a escola pública e o Serviço Nacional de Saúde, contra a Cultura, contra tudo o que é nosso por direito, e acertam no coração de cada um e cada uma de nós. Por todo o lado, crescem o desemprego e a precariedade, a emigração, as privatizações selvagens, a venda a saldo de empresas públicas, enquanto se reduz o custo do trabalho.

Não aguentamos mais o roubo e a agressão.

Indignamo-nos com o desfalque nas reformas, com a ameaça de despedimento, com cada posto de trabalho destruído. Indignamo-nos com o encerramento das mercearias, dos restaurantes, das lojas e dos cafés dos nossos bairros. Indignamo-nos com a Junta de Freguesia que desaparece, com o centro de saúde que fecha, com a maternidade que encerra, com as escolas cada vez mais pobres e degradadas. Indignamo-nos com o aparecimento de novos impostos, disfarçados em taxas, portagens, propinas… Indignamo-nos quando os que geriram mal o que é nosso decidem privatizar bens que são de todos – águas, mares, praias, território – ou equipamentos para cuja construção contribuímos ao longo de anos – rede eléctrica, aeroportos, hospitais, correios. Indignamo-nos com a degradação diária da nossa qualidade de vida. Indignamo-nos com os aumentos do pão e do leite, da água, da electricidade e do gás, dos transportes públicos. Revolta-nos saber de mais um amigo que se vê obrigado a partir, de mais uma família que perdeu a sua casa, de mais uma criança com fome. Revolta-nos o aumento da discriminação e do racismo. Revolta-nos saber que mais um cidadão desistiu da vida.

Tudo isto é a troika: um governo não eleito que decide sobre o nosso presente condicionando o nosso futuro. A troika condena os sonhos à morte, o futuro ao medo, a vida à sobrevivência. Os seus objectivos são bem claros: aumentar a nossa dívida, empobrecer a maioria e enriquecer uma minoria, aniquilar a economia, reduzir os salários e os direitos, destruir o estado social e a soberania. O sucesso dos seus objectivos depende da nossa miséria. Se com a destruição do estado social a troika garante o financiamento da dívida e, por conseguinte, os seus lucros, com a destruição da economia garante um país continuamente dependente e endividado.

A 25 de Fevereiro os dirigentes da troika, em conluio com o governo, iniciarão um novo período de avaliação do nosso país. Para isto precisam da nossa colaboração e isso é o que não lhes daremos. Porque não acreditamos no falso argumento de que se nos “portarmos bem” os mercados serão generosos. Recusamos colaborar com a troika, com o FMI, com um governo que só serve os interesses dos que passaram a pagar menos pelo trabalho, dos bancos e dos banqueiros, da ditadura financeira dos mercados internacionais. E resistimos. Resistimos porque esta é a única forma de preservarmos a dignidade e a vida. Resistimos porque sabemos que há alternativas e porque sabemos que aquilo que nos apresentam como inevitável é na verdade inviável e por isso inaceitável. Resistimos porque acreditamos na construção de uma sociedade mais justa.

A esta onda que tudo destrói vamos opor a onda gigante da nossa indignação e no dia 2 de Março encheremos de novo as ruas. Exigimos a demissão do governo e que o povo seja chamado a decidir a sua vida.

Unidos como nunca, diremos basta.

A todos os cidadãos e cidadãs, com e sem partido, com e sem emprego, com e sem esperança, apelamos a que se juntem a nós. A todas as organizações políticas e militares, movimentos cívicos, sindicatos, partidos, colectividades, grupos informais, apelamos a que se juntem a nós. De norte a sul do país, nas ilhas, no estrangeiro, tomemos as ruas!



QUE SE LIXE A TROIKA. O POVO É QUEM MAIS ORDENA!

Ada Pereira da Silva, Adriano Campos, Alex Cortez, Alexandre Abreu, Álvaro Faria, Ana Carla Gonçalves, Ana Margarida Esteves, Ana Maria Pinto, Ana Nicolau, André Studer Ferreira, Ângela Cerveira, Ângela Fernandes, António Alves, António Avelãs, António Costa Santos, António Louçã, António Mariano, António Simões do Paço, Armando Sá, Belandina Vaz, Bruno Cabral, Bruno Carvalho, Bruno Gonçalves, Bruno M. Neto, Camilo Azevedo, Carla M Cardoso, Carlos Mendes, Chullage, Cristina Cavalinhos, Cristina Paixão, Daniel Godinho, Diana Póvoas, Diogo Gaivoto, Fabíola Cardoso, Florian Charioux, Francisco Calafate, Frederico Aleixo, Frederico Duarte, Guadalupe Simões, Helena Borges, Helena Dias, Helena Pato, Helena Romão, Inês Meneses, Inês Subtil, Inês Tavares, Iolanda Baptista, Isabel Louçã, Jaime Teixeira Mendes, Jakilson Pereira, Joana Azevedo Viana, Joana Manuel, Joana Saraiva, João Afonso, João Balão, João Camargo, João Gustavo, João Mineiro, João Vasco Gama, Jorge Falcato, José Gema, José Luís Garcia, José Reis Santos, Laura Diogo, LBC Soldjah, Luanda Cozetti, Lúcia Gomes, Luís Bernardo, Luís Ribeiro, Luísa Ortigoso, Luna Nicke, Madalena Ávila, Magda Alves, Marco Neves Marques, Maria Barradas, Maria José Alves, Maria Luísa Cabral, Mariana Avelãs, Marta Silva, Miguel Cardina, Miguel Reis, Milé Sardera, Myriam Zaluar, Nuno Gomes dos Santos, Nuno Ramos de Almeida, Nuno Serra, Nuno Viana, Octávio Raposo, Paula Gil, Paula Marques, Paula Nunes, Paulo Raposo, Pedro Alves, Pedro Feijó, Pedro Rocha, Raquel Gonçalves, Ricardo Morte, Ricardo Santos, Rita Veloso, Rosário Gama, Rui Borges, Rui Dinis, Rui Eugénio, Samuel Quedas, Sandra Monteiro, Sandro Mendonça, São José Lapa, Sara Boavida, Sara Ferreira, Sara Figueiredo Costa, Sara Gonçalves, Sara Goulart, Sérgio Vitorino, Sofia Gomes, Tatiana Moutinho, Tiago Figueiredo, Tiago Mota Saraiva, Tiago Rodrigues, Vítor Ferreira, Zé Neves




Colectivo Habita apresenta o seu Boletim número 1


Solidariedade Imigrante promove Sessão de esclarecimento sobre nova lei de imigração

A Solidariedade Imigrante convida-o/a a participar na sessão de esclarecimento e debate sobre a nova lei de imigração!
 
No domingo 17 Fevereiro 2013 pelas 15h vão ser apresentados e debatidos os pontos mais importantes da reforma legislativa que introduziu a Directiva Europeia da vergonha no sistema português.
 
O objectivo da sessão é responder ás dúvidas mais frequentes dos imigrantes sobre os efeitos da nova lei e lançar um debate publico sobre a mesma.

Cartoon que cai mal ao estado de Israel

 
O Sunday Times publicou no domingo passado este cartoon que não agradou ao regime israelita. O director do jornal pediu desculpa pelo "terrível erro" de ter publicado esta "caricatura antisemita".
Citamos a este respeito a associação francesa CAPJPO-EuroPalestine:

"Quase não se pode falar de caricatura e não se pode de todo falar de antisemitismo, pois qual é a relação com os judeus ou o judaismo, que pouco importa ao primeiro-ministro israelita quando se trata, por exemplo, de carregar em botões para lançar bombas de fósforo sobre crianças num sábado, dia do shabat."

'Nós apoiamos o exército sírio e o povo da Síria'


Por Leila Khaled
29 de Janeiro de 2013
Leila Khaled, membro do Comité Central da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), esteve na Turquia para falar num Fórum intitulado «A Dinâmica das Transformações no Médio Oriente», organizado pelo Partido da Refundação Socialista. Khaled falou à publicação turca YURT sobre os planos imperialistas no Médio Oriente e sobre a resistência a estes planos (tradução de Taylor Goel).


*O que pensa dos últimos desenvolvimentos no Médio Oriente?*
O Médio Oriente é há décadas uma região de conflitos. Os povos da região estão a travar guerras de libertação. Os colonialistas europeus vieram e foram-se embora do território palestiniano. Os Otomanos fizeram o mesmo.
Depois veio Israel. Vieram, mentindo a todo o mundo e utilizando a religião. Alegaram que Deus lhes tinha dado esta terra. Nós repudiamos tal invocação. Por que razão? Será que Deus trabalha no ramo imobiliário? A prometer terra a uns e a desterrar outros? Rejeitamos isso em absoluto.
Há forças imperialistas na região que apoiam e defendem Israel. Há lideranças árabes na região que prestam homenagem a Israel. Os EUA promovem a política da cenoura e do cacete na região. Forças árabes reacionárias foram à Casa Branca prostrar-se um a um e pedir desculpa. «Faremos o que nos disserem; o nosso petróleo é vosso», disseram eles. O povo árabe, porém, recusa-se a ceder.


*Qual é a posição da Turquia neste momento?*
A Turquia lidera o grupo que protege Israel. Israel pôs a Turquia de joelhos. Nove pessoas da Turquia foram assassinadas a bordo do Mavi Marmara. Depois disso, o cônsul turco foi insultado. O governo turco disse que Israel ia apresentar um pedido de desculpas, mas Israel nunca o fez. Até disseram explicitamente «Não pediremos desculpa». Apesar disso, o governo turco aumentou ainda mais a cooperação económica e militar com Israel. A verdadeira defesa de Israel é concretizada através da Turquia. A maior base militar dos EUA na região é a Base de Incirlik.
Eis o apelo que vos dirijo: Desfaçam-se dessa base! Alarguem o boicote a Israel!
Shimon Peres publicou um novo livro «O novo Médio Oriente». Verifiquem o que lá está! Segue exatamente a Iniciativa dos Estados Unidos do «Grande Médio Oriente».
Retratam-nos a seu bel-prazer e despedaçam-nos.
Eles decidem como iremos viver. Vós e nós, todos nós estamos na mesma trincheira e somos o alvo deles.
A Turquia é um apoiante incondicional do imperialismo. Na Turquia, os curdos não têm os mesmos direitos que os turcos. Mais de dez mil curdos amontoam-se na prisão. Tal como os presos palestinianos. Seja o que for que Israel faça aos palestinianos, a Turquia faz o mesmo aos curdos.
Perguntar-me-á por que razão consagro tanta atenção à Turquia? É claro que o faço porque a Turquia mete o nariz em tudo na região.


*Pode explicar a posição da FPLP relativamente à agressão imperialista na Síria?*

Ora, eles querem estabelecer a «Iniciativa do Grande Médio Oriente», recorrendo a conflitos religiosos e sectários. É isso que está a acontecer na Síria.
Segundo o último censo, existem 11 milhões oitocentos mil palestinianos, mas só um quarto desta população vive em território palestiniano. Uma enorme massa populacional vive no exílio e o único país que recebeu essa população de braços abertos foi a Síria. O que nos foi feito, está agora a ser feito à Síria.
Eu grito a plenos pulmões: Apoiamos o exército sírio e o povo da Síria. Acreditamos no povo da Síria que nos protegeu a nós, palestinianos, e nos acolheu no seu país ao longo de mais de sessenta anos. Estamos confiantes que vencerão este problema.
*A chama revolucionária da FPLP continua acesa?*

Sim. Depois da morte de George Habas, Abu Ali Mustafa foi escolhido como Secretário-Geral, para ser morto por Israel pouco tempo depois. O nosso terceiro Presidente, Ahmad Saadat, foi eleito. Está agora detido como refém numa prisão israelita. Apesar destes tempos duros, enquanto FPLP, continuamos de pé e fortes, prosseguimos a nossa luta. A nossa maior prioridade é a unidade entre palestinianos. Enquanto FPLP, esforçamo-nos muito por conseguir essa unidade. Posso dizer que a FPLP está em boa forma e desempenhámos um papel importante na última guerra de Gaza


*O que diz da cooperação do Hamas com a Turquia?*
O Hamas aceitou um cessar-fogo com Israel. Enquanto FPLP, nós não aceitamos isso e, do nosso ponto de vista, é a atitude errada. No que diz respeito às relações que o Hamas estabeleceu com a Turquia, encaramo-las como relações entre islamistas políticos. O Hamas não representa toda a Paklestina.
*Tem alguma mensagem para as mulheres revolucionárias da Turquia?*

Continuem a vossa luta, unam-se, ajam em unidade. Não acreditem em mentiras.
Não é a «Iniciativa do Grande Médio Oriente» dos Estados Unidos que moldará o Médio Oriente, só nós o poderemos fazer.
Todos os povos do Médio Oriente o reconstruirão. Todos juntos.

--

Long Distance Revolutionary

 

Defying the Tomb


Repudiemos o ataque de Israel à Síria


Mais uma provocação de Israel à Síria suscitou o comunicado seguinte do CPPC que passamos a divulgar .

O CPPC não pode deixar de qualificar como  absolutamente condenável o bombardeamento levado a cabo dia 30 de Janeiro pela força aérea israelita contra a Síria.

Mais uma vez, Israel viola e mostra profundo desrespeito pelos princípios da Carta das Nações Unidas e actua criminosamente em desrespeito pelo direito internacional.

Esta actuação de Israel agrava e alarga ainda mais o conflito sírio, com todos os riscos que este representa para toda a região, em primeiro lugar para o já martirizado povo sírio.

Este ataque demonstra, uma vez mais, que este conflito é gerado e alimentado por interesses e potências exteriores – à revelia do governo legítimo e das forças sociais e políticas sírias – que com financiamento, equipamento, e orquestrada cobertura diplomática e mediática, são responsáveis pela actuação quotidiana das denominadas
“forças da oposição”, sobre as quais todos os dias surgem evidência de responsabilidade de massacres de civis e inúmeros outros crimes
inumanos.

Cabe ainda denunciar que Israel ocupa ilegalmente, e em flagrante violação da Carta da ONU e do direito internacional, território da Síria, designadamente os Montes Golã.

O Conselho Português para a Paz e Cooperação:

- Exige o fim da agressão externa à Síria;
-Condena as acções de intromissão e boicote de potências estrangeiras paradesestabilizar esse país;
- Exige o fim das sanções contra a Síria, cujas primeiras vítimas são as populações de todas as etnias e credos;
- Apela, no espírito e respeito da Carta das Nações Unidas, ao diálogo, à negociação e à diplomacia para a resolução pacífica dos conflitos na região;
- Considera que todos os povos, incluindo o da Síria, têm o direito a viver em paz e em democracia, de acordo com as suas decisões soberanas.

 

Etiquetas

Arquivo