CMA-J

Colectivo Mumia Abu-Jamal

9 de Dezembro (1981-2016) - MUMIA PRESO INJUSTAMENTE NOS CÁRCERES DO IMPÉRIO HÁ 35 ANOS



HOJE, DIA 9 DE DEZEMBRO,
Passam 35 anos desde que Mumia Abu-Jamal foi alvo de um primeiro atentado da polícia contra a sua vida, organizado em Filadélfia . 

Não conseguiram matá-lo em 9 de Dezembro de 1981, também não o consumaram com a sentença de morte ao mante-lo em condições de tortura durante quase 30 anos no corredor da morte, ao condená-lo posteriormente à pena perpétua uma forma de morte lenta na prisão .

Hoje, final de 2016 a abreviação do seu tempo de vida é uma realidade com o facto de Mumia ter hepatite C, podendo morrer se lhe subtraírem os medicamentos anti-virais que lhe podem ser vitais para a vida .


Esta é uma realidade partilhada por 6.000 presos e presas, só no Estado da Pensilvânia . De facto esta doença tornou-se uma epidemia silenciosa em toda a população prisional nos Estados Unidos e no mundo, com particular incidência nos países geridos pelas leis das patentes . Aí, só algumas pessoas podem ter acesso às anti-virais, devido ao seu custo altíssimo, atingindo mil dólares cada comprimido !

No passado mês de Setembro o Juiz Federal Robert Mariani determinou que a falta de assistência médica adequada para as pessoas presas é uma violação grave da oitava alteração da Constituição Federal dos EUA, que proíbe os castigos cruéis e incomuns, e que o alto custo das remédios não é um pretexto válido para negar-lhes o tratamento. Mas não ordenou o tratamento que Mumia solicita, com o pretexto de que os seus advogados processaram as pessoas erradas.

Então neste ano que se avizinha , a nossa acção prioritária continua a ser a liberdade de Mumia e a exigência de que lhe seja ministrados os medicamentos que o possam curar .

Embora Mumia não esteja bem, continua a lutar com as suas tomadas de posição conscientes a partir da sua cela . Sem acesso a um computador ou ao internet, publicou nove livros e continue gravando seus radioensaios sobre os eventos actuais no mundo .

Convidamos-te a fazeres conosco a denuncia do sistema prisional americano acente no terrorismo capitalista e racismo agora sob a era Trump mais propícia à supremacia branca mais evidente do que nunca .

35 ANOS DEPOIS DA PRISÂO DE MUMIA, A LUTA PELA SUA LIBERTAÇÃO CONTINUA PRESENTE!

A Exigência da libertação de todos os prisioneiros e prisioneiras políticas nas prisões dos Estados Unidos, incluindo os 9 de move ', Sundiata Acoli, Dr. Mutulu Shakur, Jalil Muntaqim, Herman Bell, Leonard Peltier, Oscar Lopez Rivera, imã Jamil Al Amin, Kamau Sadiki, Maliki latini, David Gilbert, Ruchell Magee, Robert Seth Hayes, Veronza Bowers, Ed Poindexter, Russell 'Maroon' Shoatz, Jo Jo Bowen, Fred Muhammad Burton, Kojo Bomani Sabubu e Richard Mafundi Lake, entre outros.


LIBERDADE PARA MUMIA ABU-JAMAL E TODOS OS PRESOS POLÍTICOS !
PELA DESTRUIÇÃO DO SISTEMA CARCERÁRIO ! 
PELA LIBERDADE !

Basta de novo fascismo


BASTA DE NOVO FASCISMO ! 


Por Mumia Abu-Jamal

Chegou o momento.
Já não é necessário que os líderes económicos escolham fantoches políticos para cumprir as suas ordens legislativas. Simplesmente tomam o poder eles mesmos com compras, subornos e mentiras.

O falecido eldridge cleaver, ministro da informação do partido pantera negra, uma vez disse que, quando o fascismo chegar aos Estados Unidos, não fará falta uma suástica; chegará a cantar "Yankee Doodle Dandy" e agitando bandeiras americanas.

O que é o fascismo?
A definição política mais comum é a união das empresas e o estado.
Graças ao medo nu e a ignorância bruta, o eleitorado americano votou por uma nova realidade política. Embora parecia que o partido republicano se lançava à auto-destruição, os democratas perderam o que no início parecia uma vitória certa.

É possível que o partido democrata, cujos lideres asseguraram a queda do candidato aspirante, o senador Bernie Sanders, também tenha segurado o fracasso eleitoral ao optar por outro Clinton. O casal é lembrada pelo desastroso impacto económico do tratado de livre comércio (Nafta, na sigla em inglês) contra a classe trabalhadora, e este tratado impediu uma vitória para clinton em distritos com sindicatos laborais fortes em Ohio, Michigan e Pensilvânia.

Ironicamente, muitas das pessoas que votaram para trump eram beneficiários da "Lei Clinton" sobre o crime, que impulsionou a construção de dezenas de prisões em zonas rurais pouco povoadas; de facto, em alguns municípios, as prisões tornaram-se o empregador Principal.

Aposto que mais de 90 % dos guardas carcereiros não votaram pela família (Clinton) que lhes deu os seus empregos por toda a vida, mas sim pela sua nêmesis: Donald Trump!

Nem mesmo o presidente Barack Obama com sua popularidade pessoal pode levar a Hillary Clinton até a linha de chegada, porque o seu prestígio não chegou tão longe.

Bem-vindos ao novo fascismo, no qual serão liberados as forças mais racistas, cruéis e nacionalistas do país.

Isto é o que significa "América primeiro" em realidade. (adivinhem quem serão os últimos. ) o novo fascismo -- também conhecido como o "Trumpismo".

Desde a nação encarcerada, sou Mumia Abu-Jamal *.

Pelo cumprimento dos direitos do Povo Palestiniano

"Pelo cumprimento dos direitos do Povo Palestiniano
A 29 de Novembro assinala-se o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestiniano. Este dia foi declarado pelas Nações Unidas para assinalar a aprovação da Resolução 181 pela sua Assembleia-geral, que em 1947 apontou a criação de dois Estados no território da Palestina.
Quase 70 anos passados, só o Estado de Israel existe. O Povo palestiniano não só continua privado do seu Estado soberano, independente e viável como enfrenta diariamente a violência da ocupação israelita.
Desrespeitando resoluções e normas do direito internacional, Israel continua na estender a ocupação do território palestiniano, através da construção de colonatos, do «Muro de Separação», da instalação de postos de controlo militares e de vias de comunicação para uso restrito de militares e colonos israelitas.
A Faixa de Gaza continua a constituir uma autêntica prisão a céu aberto, em resultado do bloqueio israelita.
Ao mesmo tempo, sucedem-se as prisões administrativas de cidadãs e cidadãos palestinos por parte das forças israelitas, muitos dos quais jovens ou crianças.
Na sequência da conivência e apoio por parte de sucessivas administrações norte-americanas a Israel, as recentes declarações do Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, acerca da transferência da Embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém, como se esta cidade fosse a capital de Israel, são motivo de preocupação para todos quantos defendem a justiça, a paz.
As organizações defensoras da Paz e do Direito Internacional, solidárias com a Palestina e o seu Povo, assim como com todos os que em Israel lutam pela paz e pelo fim da ocupação, exigem o respeito pelas resoluções das Nações Unidas, com:
- o fim da ocupação israelita, o desmantelamento dos colonatos, do «Muro de Separação» e de todos os instrumentos de usurpação de terra palestiniana;
- a libertação dos presos políticos palestinianos das prisões israelitas;
- o fim do bloqueio à Faixa de Gaza;
- a criação do Estado da Palestina, com as fronteiras de 1967 e capital em Jerusalém Leste e o respeito do direito ao regresso dos refugiados palestinianos."

(Comunicado subscrito por organizações e associações de solidariedade)

Que Viva Fidel ! Que viva a Revolução Cubana !

No momento da morte de Fidel Castro, reproduzimos um pequeno texto de Mumia sobre este revolucionário cubano .
Que Viva Fidel ! Que Viva a Revolução Cubana!
Por Mumia Abu-Jamal

10 de agosto de 2006., as notícias recentes da doença do presidente cubano Fidel Castro, desencadearam ondas de alegria macabras em Miami e na casa branca. O show de gente a dançar nas ruas de Miami ao compasso das notícias da saúde precária de Fidel era muito desagradável. Poucos de nós, que crescemos sob a propaganda que passa por notícias e divulgada pelos meios capitalistas de informações, temos uma idéia real sobre castro ou sobre as imensas conquistas sociais de Cuba, apesar de viver sob a constante ameaça de invasão e destruição Parte dos Estados Unidos. Como um que estuda a história, eu sempre me sinto muito surpreso e triste com o pouco que sabemos de outros povos, especialmente aqueles que estão tão perto de nós, como em Cuba.
Se o governo americano em verdade apoiasse democracias, em vez de ditaduras, o nome Fidel Castro talvez nunca tivesse nos conhecido. Isso Porque Castro, quando jovem recém-Graduado da escola de direito, tentou ser eleito para o Senado de Cuba como candidato por um "Governo limpo". sua plataforma se opunha à repressão política, a corrupção, e a forma como as instituições Mais importantes de Cuba haviam sido compradas pelas elites da máfia americana. Falou abertamente contra os políticos vende-Pátria e também denunciou à imprensa porque os jornalistas eram comprados com "Garrafas". opôs-se à corrupção das cortes de justiça. Agora, imagine, quem apoiava o governo dos Estados Unidos? Estados Unidos apoiava o ditador Fulgêncio Batista, um homem cuja brutalidade e corrupção eram lendárias. Tendo em conta os desafios legais que apresentava o jovem Castro, sua escolha foi bloqueada pelo regime de Batista, e Castro aprendeu que não havia maneira legal de se opor ao regime. Estados Unidos sempre preferiu a seus brutais fantoches que democratas, e isso torna-o em todos os continentes do mundo.
De que também nós não ouvimos é das ações dos EUA contra Cuba, que só podem ser chamadas " terrorismo." quer seja sob a operação Pluto, ou a operação mangusto, ou a operação JM-Wave, Estados Unidos tem bombardeado fábricas , complotado derrocamientos, planejado e tratado de realizar assassinatos, trabalhou com o crime organizado, destruiu culturas e outros crimes. Os famosos reportagens do Comité Church descobriram vários atentados de assassinato contra Fidel, que foram " coordenados com os chefões da Máfia Meyer Lansky, John Roselli, o sam giancana e santo trafficante," todos os quais eram donos de negócios na ilha. Antes da revolução cubana, a ilha era chamada o "Paraíso da máfia" porque os líderes da máfia eram donos de cassinos, boates, bordéis e também de negócios legítimos, como bancos, companhias aéreas, estações de TV e jornais. Por exemplo, só em um período de 8 MESES, em 1961, a cia cometeu 5,780 Atos de sabotagem e terrorismo contra Cuba, incluindo vários atentados de assassinar o presidente cubano.
A repressão, brutalidade e corrupção que o governo dos Estados Unidos em Cuba forçou a Fidel e a milhões de cubanos a tornarem-se revolucionários e a não seguir o caminho americano. Uma vez revolucionário, Fidel se tornou internacionalista, ajudando a todos os que lutam pela sua liberdade ao redor do mundo.
Nos meses finais de 1975, quando os exércitos do regime racista da África do sul invadiram angola, foi Cuba que enviou 18,000 Soldados para ajudar o país sitiado africano. No fim do ano, 36,000 Soldados cubanos e seus aliados angolanos, derrotaram o exército da África do Sul no campo de batalha, forçando-os a retirar-se, pela primeira vez na história do regime dos brancos da África do Sul. Fidel diria depois, " foi a praia Giron Africana!," em referência à vitória de Cuba contra os Estados Unidos em playa giron, também conhecida como a baía dos porcos. (naturalmente, o governo dos Estados Unidos apoiou a África do Sul e vários outros exércitos terroristas, como o FNLA e a UNITA. )
Ainda quando pode ser verdade que Fidel está doente, também é verdade que ele e a revolução que ele ajudou a guiar, são uma força para o bem de todo o mundo, ao lado dos oprimidos, não dos opressores. Estiveram ao lado da liberdade, não da escravatura.
Pense você por um momento: quantas pessoas no Vietnã, no Chile, na Argentina, na África do Sul, no Iraque, na Palestina tem sofrido desnecessariamente devido às acções, à exploração, ao apoio de ditadores, às guerras secretas de repressão, Parte dos presidentes dos Estados Unidos nos últimos 50 anos. Quantos assassinatos, eleições roubadas, guerras secretas, bombardeios, etc., etc., foram traçados nas tocas da casa branca contra os povos do mundo? Por isso, hoje quero me unir aos nossos amigos cubanos e com eles dizer: que viva Fidel! Que viva a revolução cubana! Venceremos!

FREEDOM

Noruega - Força Indígena convence primeiro Banco a retirar a sua quota de financiamento do Dakota Pipeline .

Manifestantes de Sami, vestidos com roupas tradicionais , em caminhada no centro de Estocolmo - Foto: Reuters
Standig Rock obteve mais uma vitória significativa, outras se devem seguir para consumar a defesa das suas terras, água e ambiente .

"Milhares de pessoas de todo o Mundo  reuniram-se para barrar o caminho da construção, alegando que o gasoduto iria perturbar a terra sagrada e poluir os cursos de água .

Sami indígena e os grupos ambientalistas convencido banco norueguês DNB na sexta-feira para vender todos os seus ativos no pipeline Dakota Access, o que equivale a cerca de 10 por cento do custo total do projeto.

"Nós iniciamos uma revisão independente da forma como os direitos indígenas sejam salvaguardados neste processo", disse o DNB Mesmo Westerveld. "Além disso, temos intensificado o diálogo com os nossos clientes a usar a nossa posição como um banco de influenciar uma solução para o conflito."Ele anunciou que estava considerando desinvestimento no início deste mês se as preocupações levantadas por tribos nativas americanas contra a sua construção não foram abordados.

O Sum of Us campanha, auxiliado por Sami Indígena, advogados acampamento Standing Rock e Greenpeace Noruega, entregaram uma petição com 120.000 assinaturas exigindo que o banco e os outros retirar-se do gasoduto. O Parlamento Sami também pressionou Fundo do Petróleo da Noruega a reconsiderar os seus investimentos no projeto, que é esperado para o transporte de mais de 500.000 barris de petróleo bruto por dia ." O que estamos testemunhando em Standing Rock é um momento histórico", diz a petição. "Nós não podemos todos ser em Dakota do Norte, mas todos nós podemos estar em solidariedade com aqueles que são."

DNB tornou-se o primeiro banco a ceder a partir do projeto, como a pressão sobre TD Bank e Citibank está crescendo em todos os EUA em ações de solidariedade.

"A escrita está na parede para o gasoduto Dakota Access. O poder do povo é ganhar", disse Martin Norman, da Campanha de financiamento sustentável da Greenpeace Noruega. "Todas as instituições financeiras, com uma participação no gasoduto deve perceber rapidamente que o financiamento deste projecto é tóxico. Seria inteligente para eles para sair à frente do crescente movimento de clientes à procura de alienação de bancos que financiam a destruição de nosso planeta e ignoram direitos indígenas e soberania.

As autoridades locais e manifestantes foram colidindo ao longo 3800000000 $ projeto do gasoduto Energia Transferência do Parceiro US Dakota Access, que, de acordo com as tribos, não consultou totalmente nativos americanos, cujas terras ficam no caminho do pipeline.

Milhares de pessoas se reuniram de todo o mundo para ficar no caminho de construção, alegando que o gasoduto iria perturbar terra sagrada e poluir cursos de água que abastecem milhões nas proximidades .

"DNB looks com preocupação a forma como a situação em torno do gasoduto em Dakota do Norte desenvolveu. O banco irá, portanto, tomar a iniciativa e usar sua posição para trazer um processo mais construtivo para encontrar uma solução para o conflito", o maior banco da Noruega disse em um declaração no início deste mês.

Reuters relatou que o banco havia fornecido US $ 342,36 milhões em empréstimos para construir o gasoduto."

Chomsky: A vitória de Trump coloca o governo nas mãos de "organização mais perigoso na história do mundo

Numa entrevista com Truthout , politico teórico Noam Chomsky alertou a escolha de Donald Trump vai colocar o

 mundo em risco, dizendo que a política de aversão ao presidente eleito pode deixar o Partido Republicano correr solto.

"Em 8 de novembro, o país mais poderoso na história do mundo, que irá definir o seu carimbo sobre o que vem a seguir, teve uma eleição", disse Chomsky. "O resultado colocou o controle total do governo - executivo, o Congresso, a Suprema Corte - nas mãos do Partido Republicano, que se tornou a organização mais perigoso na história do mundo."
Chomsky afirmou que o impacto sobre a ciência do clima por si só era assustador.
"O candidato vencedor, agora o presidente eleito, exige aumento rápido no uso de combustíveis fósseis, como carvão; desmontagem dos regulamentos; rejeição de ajuda para países que buscam se mudar para a energia sustentável em desenvolvimento; e, em geral, correndo para o precipício mais rápido possível ", disse ele antes de acrescentar:" É difícil encontrar palavras para capturar o fato de que os seres humanos estão enfrentando a questão mais importante em sua história - se a vida humana organizada vai sobreviver em qualquer coisa como a forma que conhecemos - e estão respondendo a isso, acelerando a corrida para o desastre ".
Cartoon de David Rowe - Austrália
Virando-se para como foi que Trump veio a ser eleito, o conferencista e autor disse que ninguém deve se surpreender e que ele vem alertando de um demagogo Trump-like durante anos.

"Por muitos anos, tenho vindo a escrever e falar sobre o perigo do surgimento de um ideólogo honesto e carismático nos Estados Unidos, alguém que poderia explorar o medo ea raiva que tem sido a ferver em grande parte da sociedade, e quem poderia dirigi-lo longe dos agentes reais de mal-estar aos alvos vulneráveis ​​", explicou. "Isso pode de fato levar a que o sociólogo Bertram Gross chamado de" fascismo amigável "em um estudo perspicaz há 35 anos. Mas isso requer um ideólogo honesto, um tipo de Hitler, e não alguém cuja ideologia detectável é apenas 'Me'. Os perigos, no entanto, ter sido real por muitos anos, talvez mais ainda à luz das forças que Trump tem desencadeado ".

Questionado sobre a possibilidade de Trump para retornar às formas militaristas agressivos da época presidente George W. Bush, Chomsky disse que era uma questão em aberto, dada a história errático de Trump de dizer uma coisa e, em seguida, contradizendo-se momentos depois.

"Eu não acho que se pode responder com alguma confiança. Trump é muito imprevisível. Há muitas questões em aberto. O que podemos dizer é que a mobilização popular e ativismo, bem organizada e conduzida, pode fazer uma grande diferença ", comentou antes de adicionar ameaçadoramente," E devemos ter em mente que os riscos são muito grandes. "

Bote vira no Mediterrâneo e 100 refugiados vindos da Líbia estão desaparecidos



ONG alemã trabalha na localização das vítimas; quatro corpos já foram resgatados até o momento.


Cerca de 100 pessoas estão desaparecidas no Mar Mediterrâneo depois que uma embarcação de refugiados vindos Líbia virou. A informação é da Jugend Rettet, uma ONG alemã que operava um barco de resgate na área.


A ONG disse em um tweet que 23 sobreviventes foram transferidos para um petroleiro e que "as tripulações estão procurando sobreviventes na água e recuperando cadáveres".


Os sobreviventes e quatro cadáveres foram transferidos do petroleiro para o Acquarius, um barco operado pelo grupo de caridade, SOS Mediterrâneo.

in sputnik

Lágrimas... e um sorriso



Por Mumia Abu-Jamal.

Muitas pessoas nos Estados Unidos, a eleição presidencial os deixou angustiadas -- Inundadas de ansiedade, medo e pavor.

Nos parece surreal. Um candidato captado em vídeo dizendo o que ele disse. Um candidato que lançou uma perniciosa campanha de ódio contra os mexicanos, mexicanas, muçulmanos e muçulmanas. Um homem que parecia encarnar uma sensação de fatalidade.

No entanto....

Donald Trump tem tirado o arco de bronze, o maior prémio da política, em sua primeira (e única) carreira política e vitória política. Para o bem ou para o mal, esta escolha pode transformar a política americana.
Seria correto dizer que o descontentamento económico foi um fator na sua vitória, como resultado do tratado de livre comércio forjado durante o regime de Clinton.

Mas isso não é tudo. A campanha de Trump não representa apenas o medo, mas uma profunda paranóia e vingança branca contra o crescimento da população de pessoas de cor em seu país.

Se o trumpismo representa a vingança, o clintonismo representa a traição. Nos casos de todos os eleitores que votaram para o Bill Clinton-Gays, negros, ou o que seja - os clinton apoiaram leis contra os seus interesses: Adestramento (o acto de defesa do casamento), aedpa (a lei De antiterrorismo e pena de morte eficaz, uma manobra contra o direito ao abrigo tipo habeas corpus), e nafta (o tratado de livre comércio), apesar do enorme apoio profissional que Clinton recebeu.

Estes são, sem dúvida, tempos sombrios em bábilon.

E mesmo assim, acreditem ou não, estes também acabam.

Desde a nação encarcerada sou Mumia Abu-Jamal.

Genocídio silenciado,6 milhões de mortos no Congo ignorados por toda a Comunicação Social

"Um genocídio está a acontecer na República Democrática do Congo (RDC). Mais de 6 milhões de pessoas (das quais metade são crianças com menos de 5 anos!), foram massacradas, sob uma indiferença geral e com o apoio dos Estados Unidos e da Europa!
Centenas de milhares de mulheres e de raparigas foram violadas e mutiladas pelas tropas de ocupação. Isto com o único objectivo: para se apoderarem das riquezas minerais excepcionais que se encontram no subsolo do país…

Em pleno centro de África, o Congo é um país rico, cheio de matérias-primas (diamantes, ouro, estanho, gás, petróleo, urânio, acrónimo de colombite-tantalite…), florestas, água, mulheres e homens, múltiplas tribos reunidas numa nação desenhada por colonos, e que corresponde historicamente a nada. No seguimento do genocídio no Ruanda, os países vizinhos aproveitaram-se da incerteza político-institucional do Congo (país limítrofe do Ruanda), para atacar, de todos os lados, este gigantesco país cheio de tesouros.

E qual a reacção dos Ocidentais face a isto?

A culpa dos dirigentes americanos e europeus quanto ao genocídio da Ruanda, levou-os a optar por uma politica pró-Ruanda, deixando os rebeldes Ruandeses passar para o Congo, livremente, e podendo fazer o que querem, ajudados pelos aliados da Uganda e do Burundi…

É imprescindível salientar que as numerosas riquezas naturais da RDC são vitais para as economias ocidentais, especialmente, para os sectores automóvel, aeronáutico, espacial, a alta tecnologia e a electrónica, a joalharia… O acrónimo de colombite-tantalite sobretudo (o Congo que possui pelo menos 60% dos recursos mundiais), é essencial no fabrico dos componentes electrónicos que encontramos nas televisões, nos computadores, nos smartphones mas também em certas armas com o os mísseis! A RDC sofre, igualmente, de um desflorestação maciça. E quais são os principais importadores? Os EUA, a Europa, a China, nada de surpreendente.

Como os conflitos parecem ser internos, dizendo unicamente respeito à África, ninguém pode acusar os EUA e as outras potências ocidentais, por se aproveitarem dos recursos e das riquezas do Congo, uma vez que não têm uma intervenção directa. Não há dúvida, que é muito mais prático deixar os povos matarem-se entre si. Em paralelo, os EUA apoiam as ditaduras que se sucedem no Congo e as milícias da Ruanda e da Uganda. É uma maravilha.

A pobreza mantida e as condições de vida miseráveis, as violações constantes (quando a taxa de SIDA é superior aos 20%, nas províncias a Leste do país), a deslocação da população, os ultrajes, as epidemias, etc. Trata-se de uma estratégia de desumanização usada para tornar as vitimas impotentes. Não existem palavras suficientemente duras para descrever esta terrível situação.

Serão os dirigentes ocidentais tão sedentos de riqueza, ao ponto de não intervir num novo genocídio? Sim! Aliás, não só não intervém, como escondem esse genocídio, ajudam com armas e permitem a observação dos treinos militares realizados pelas nossas elites.

Uma coisa é certa: o que se passa no Congo, dos negócios político-económicos ao genocídio, nada é determinado, unicamente, pelos Congoleses, tendo as potências da carnificina, ávidas de riqueza e sem consideração pelos povos, um papel determinante.

A situação no Congo será resolvida pelos Congoleses, desde que a comunidade internacional pare de apoiar os Ruandeses, os Ugandeses e todas as milícias que perpetuam este estado de guerra insuportável. Ao apoia-los, a comunidade internacional está a permitir-lhes a tomada das riquezas de um país, sem qualquer justificação. 6 milhões de mortes, metade das quais, eram crianças pequenas. O mundo que se diz «livre» – ou seja, nós – tem a obrigação de encarar o que essa «liberdade» deixa acontecer. Porquê tanta violência e tão pouco barulho por parte dos meios de comunicação?


Será que é suficientemente interessante para o Francês médio? Não será suficientemente sensacionalista, este massacre que se conta em milhões de pessoas? Será que é muito longe de «vossa casa»? Aplicam, mais uma vez, esta odiosa «lei da proximidade»? Qual o motivo da inexistência de reacção? Não há qualquer impacto no imaginário colectivo? Nenhuma indignação? Nenhuma cólera? Nenhuma emoção?

A nossa obrigação como cidadãos do mundo é, portanto, de fazer circular esta informação, para que o mundo saiba, antes que algo mais aconteça. Existem culpados tanto em África como na Europa. O silêncio dos poderosos mata tanto como o barulho das metralhadoras. Ponhamos os assassinos face às suas responsabilidades.

Como podem 6 Milhões de mortos serem absolutamente silenciados, sem qualquer repercussão mediática?

Nas cinzas do genocídio ruandês, a segunda guerra do Congo rebenta em 1998, na região dos grandes lagos, a Este do Congo. Através da acção de cerca de trinta milícias locais, nove países Africanos estão directamente envolvidos: a Angola, o Zimbabué, a parte sul da Namíbia, o Ruanda, o Uganda, o Burundi, o Congo, o Chade e a parte Norte do Sudão.
Esta guerra do Congo está marcada: pelas sequelas do genocídio ruandês, pela fraqueza do Estado congolês, pela vitalidade militar do novo Ruanda, pela sobrepovoação da região dos grandes lagos, pela permeabilização das velhas fronteiras coloniais, pela intensificação das tensões étnicas devidas à pobreza, pela presença de riquezas naturais, pela militarização da economia informal, pela procura a nível mundial de matérias primas minerais, pela procura local de armes e pela impotência das Nações Unidas.


O balanço é pesado: 6 milhões de mortes, próximo dos 4 milhões de deslocados, campos de refugiados saturados e centenas de milhares de pessoas empobrecidas. As populações não morrem debaixo de fogo. Elas morrem, maioritariamente, de doenças e de fome. As armas de guerra são a violação e a destruição do tecido social.

Para a exploração do acrónimo de colombite-tantalite, esgota-se as populações locais, empobrecendo-as, violando-as, incitando-as a ir embora. Destruindo, para esse fim, as infra-estruturas sanitárias, transformando, assim, a mais pequena patologia mortal. O acrónimo de colombite-tantalite é um cascalho preto que se encontra na lama e que possui um poder económico muito pesado. 80% das reservas mundiais estão na RDC. O acrónimo de colombite-tantalite contem tântalo e todo o planeta quer. Trata-se de um elemento químico adaptado às superligas da indústria da aeroespacial e aos condensadores no domínio da electrónica. Indispensável na produção de tablets e smartphones.


Os agricultores da província de Kivu são perseguidos, caçados. A militarização da economia gera a comercialização da violência. As milícias propõe os seus serviços para aterrorizar, torturar, violar. O ódio étnico é exposto, como numa montra, para justificar as acções, mas é só areia para os olhos. A realidade é outra, a violência atende à concorrência comercial.

O historiador David Van Reybrouck, num Opus admirável que se dedicou ao sujeito «Congo» chez actes sud, descreve os mecanismos da região e admira-se com o facto de 6 milhões de mortos não ter qualquer cobertura mediática e nem provocar qualquer indignação popular.

«Ela desapareceu da actualidade mundial porque era inexplicável e confusa. Para cobrir guerras, o jornalismo recorre a um enquadramento de referências morais, nesta guerra do Congo não há um lugar dedicado aos bonzinhos».

E quando, com alguma regularidade, uma reportagem vem descodificar esta guerra, não tem eco, não há nenhuma reacção da opinião pública, é o silêncio da comunidade internacional. Ninguém quer saber e todos se acomodam."

Em A Marcha Verde

Activistas BDS denunciam a participação de chefs de cozinha no evento Round Tables em Telavive



Activistas contra o regime israelita de ocupação e apartheid lançaram um apelo ao chef de cozinha português José Avillez, dono do restaurante Belcanto em Lisboa, para que este cancelasse a sua participação no evento de culinária em Telavive intitulado Round Tables. 

Este apelo insere-se num protesto internacional que juntou mais de 140 organizações de direitos humanos contra a participação no evento de restaurantes gourmet, entre os quais L'Ami Jean em Paris e o Musket Room em Nova Iorque.

Round Tables, a ocorrer este ano entre 6 e 26 de Novembro, é um evento integrante da campanha israelita “Brand Israel”, que tem por objectivo branquear a violenta opressão do povo palestiniano. Descrito pelos seus organizadores como uma ofensiva de “gastro-diplomacia”, ele trouxe chefs de 13 restaurantes internacionais para um cook-in em Telavive patrocinado pelo governo israelita. 

Inventado pela American Express, o evento vem branquear entre outros a produção de vinho nos Montes Golã com refeições gourmet preparadas pelos chefs internacionais. Estes ficam hospedados nos Dan Hotels, entre os quais um construído em terra palestiniana roubada na Jerusalém oriental ocupada. A chamada “bolha liberal” de Telavive, onde os chefs estão a cozinhar as suas refeições requintadas, só é possível graças ao muro do apartheid construído por Israel, aos checkpoints e à guetização dos palestinianos, incluindo o cerco medieval de mais de dois milhões de palestinianos em Gaza, que mantém a brutalidade quotidiana da ocupação sem fim à vista.

Os activistas da campanha BDS - Boicote, Desinvestimento e Sanções - denunciam o evento como uma iniciativa que promove a negação dos direitos humanos dos palestinianos pela sua associação com os ministérios israelitas “que usam a cultura e as artes como um meio para desviar a atenção das suas graves violações dos direitos humanos e criar uma imagem positiva da ocupação”. 

Os signatários apontam para o “uso da velha tradição de partilhar experiências culinárias como um meio de branquear a violação sistemática dos direitos fundamentais dos palestinianos” e apelam aos chefs para cancelarem a sua participação no evento. 

A carta enviada pelas organizações portuguesas* ao chef Avillez apelando para que este “cancele a sua participação na Round Tables patrocinada por colonatos ilegais israelitas que violam os direitos humanos do povo palestiniano" ficou até hoje sem resposta.

Alguns gerentes dos outros restaurantes participantes alegaram não terem tido conhecimento do envolvimento do governo israelita na organização do evento e já ser tarde demais para cancelarem a sua participação. Alguns restaurantes asseguraram que não participarão em futuros Round Table Tours. 
O Grupo Gustu da chef Kamilla Seidler retirou o seu restaurante boliviano do evento depois de ter sido contacto pela campanha.



* Os signatários são: Associação Abril, Colectivo Mumia Abu Jamal, Comité de Solidariedade com a Palestina, Conselho Português para a Paz e Cooperação, Grupo Acção Palestina, MPPM - Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, Panteras Rosa - Frente de Combate à Lesbigaytransfobia, SOS Racismo.

Médine - Besoin de révolution

Fazer 'América' Branca outra vez!


Escrito em julho passado por Mumia Abu-Jamal


A Convenção Nacional do partido republicano de 2016, sob forte pressão de Donald Trump, era, de muitas maneiras, uma fuga para o passado - às décadas de 1950 e 1960, quando o Barry Goldwater, Richard Nixon e Dwight Eisenhower eram os líderes do partido republicano e defensores da exclusão, o medo racista e o horror ao "outro".

Naqueles tempos, o maior medo era o medo do comunismo. Hoje em dia, é o medo dos estrangeiros - e, claro, aos eternos excluídos, os negros.

Há meio século promoveram com medo, medo... e mais medo. Hoje em dia promovem medo, medo, medo... e mais medo.

Medo: o leite materno da política. Esta e a nostalgia para os anos 50.

Tirando uns fantoches, esta era a convenção presidencial mais branca em décadas. Quase exclusivamente branca no palco: e ainda mais branca nas bancadas.

E se por acaso a mensagem não era clara, chegou Rudy (também conhecido como "Adolfo") Giuliani, a gritar contra o movimento black lives matter, comparado-o (não, não estou a brincar) Aos Panteras Negras!

A sério.
Qual é a mensagem central da Convenção? Tenham medo. Tenham muito medo. " só Trump nos pode salvar!" a sério.

A Convenção do partido republicano significava " regresso ao futuro ". não " Fazer ' América ' grande outra vez ", mas sim " Fazer ' América ' Branca outra vez!".

E outra vez. E outra vez!

Desde a nação presa sou Mumia Abu-Jamal.

Liberdade procura-se ... já estava ausente


Chomsky: Trump é o resultado do medo e de uma sociedade falida pelo neoliberalismo


A popularidade do candidato presidencial americano donald trump deve-se ao " medo " e é o resultado de uma " Sociedade Falida " pelo neoliberalismo, assegura o célebre politólogo Noam Chomsky.

"as pessoas se sentem isoladas, desamparadas e vítimas das forças mais poderosas, as que não entendem nem podem influenciar", considerou o intelectual, que carregou contra o candidato republicano em uma entrevista com o portal de notícias americano alternet publicada esta semana.

Chomsky, 87 anos, afirmou que sua idade lhe permite comparar a situação atual na campanha eleitoral dos Estados Unidos com a década de 1930, durante a qual os Estados Unidos sofreu a chamada grande depressão económica.

As pessoas se sentem isoladas, desamparadas e vítimas das forças mais poderosas, as que não entendem nem podem influenciar ", considerou o académico e célebre politólogo americano Noam Chomsky.

A pobreza e o sofrimento então " eram muito maiores ", no entanto, mesmo entre os pobres e os desempregados existia " uma sensação de esperança, que hoje falta ", considerou o académico, que atribuiu a " para o crescimento de um movimento de trabalho militante " e a " existência de organizações políticas alheias às correntes principais ".

Por isso, o crítico da política norte-Americana, afirmou que a popularidade do trump é produto da ruptura social provocada pelas políticas neoliberais. " o medo, juntamente com a ruptura da sociedade no período neoliberal " explicam o que o entrevistador chamou o " incrível avanço de trump " nas sondagens eleitorais dos EUA. U.

Acrescentou que o fato de que o, Bernie Sanders e o líder do partido trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, que lideram as idéias populares implementadas no século XX, sejam marcados agora como extremistas, aponta que o espectro político completo " mudou de direção Para a direita no período neoliberal ".

Chomsky contribuiu para a campanha do candidato democrata Bernie Sanders no passado, no entanto, afirmou que votaria " Sem dúvida " pela também democrata Hillary Clinton se vivesse um " Swing State ", o estado que em cada eleição oscila entre democratas e Republicanos.

Em uma outra entrevista em Janeiro, o também linguista e ativista americano elogiou Sanders, embora considerou que não tem " demasiado chance " devido ao sistema de eleições " em grande parte compradas " que rege nos Estados Unidos e também advertiu de que a vitória dos Republicanos nas eleições presidenciais realizadas este ano terá graves consequências para a humanidade.

Entre as polémicas propostas de Trump, figura a de negar a entrada no país aos muçulmanos de forma "total e completa", a de construir um muro que separe ao México nos Estados Unidos, insultando e usando retórica antiinmigrante ao sugerir isso. O Magnata também lançou palavrões e insultos aos candidatos contra os que concorre mesmo em seu próprio partido e proferiu comentários misóginos.

Via: Hispantv

Amérikkka ...


Massive Attack, solidários com os refugiados

Eleições americanas - Elegem seu demonio



Hoje terça-feira, 8 de novembro, são realizadas as eleições para a presidência do império, e Mumia escreve:

Nomeia seu demônio .

Por Mumia Abu-Jamal
Nunca vi uma eleição como esta.
Nunca.
Há muito em jogo, sim; mas as opções chegaram ao fundo do poço, especialmente para as pessoas negras.
Nenhumas prometem alívio do inferno que habitamos nas comunidades dos Estados Unidos.
E, como sempre, o voto da população negra será fundamental. Mas para quê?
Definitivamente, não para a nossa liberdade.
O encarceramento em massa continua a ser uma sombra sinistra sobre as nossas vidas -- um íncubo, que suga a vida de milhões de pessoas, mesmo depois do mandato de oito anos do primeiro presidente negro.
E os polícias andam desenfreados, uma multidão azul de arrogância, terror e impunidade sem limites. Em quase todos os casos, o seu privilégio, permanece intacto.
Alguém realmente acredita...? A sério, somos adultos, não é? Alguém realmente acha que qualquer dos candidatos para a presidência tem a menor ideia sobre como aliviar este problema?
Já ouviu falar de uma proposta?
Então, escolha o seu demônio. Mas entende o que você está escolhendo.
Desde a nação encarcerada, sou mumia Abu-Jamal.

Tod@s à Manifestação de Imigrantes dia 13


Calais - Refugiados sujeitos a violência extrema pelas forças do sistema



[Extracto Comboio Calais de outubro de 2016-TESTEMUNHO]

Todos temíamos, este dia.
Quarta-feira ia ser o pior de todos a gente sabia. É o que os confrontos iriam iniciar.

Efectivamente, os afegãos foram informados que a França os devolvessem, já tinham anunciado que eles não saiam da selva. Sem contar com todos os jovens que queriam juntar suas familia em uk e que não tinham mais nenhuma confiança no sistema. Para outros a selva era a única casa. Eles tinham toda a sua vida aqui e agora eles deveriam partir em 3 dias, mesmo sem saber onde.

Nós sabíamos que o 3º dias de evacuação ia ser o pior....
Mas não se preocupem sobre este incêndio, visão apocalíptica, um vilarejo em chamas, sem bombeiros, sem ambulâncias durante mais de 2 HORAS.

2000 crs bem arrumadas esperaram sabiamente que todos saem da selva em chamas, eles cercaram, eles não tinham escolha, estávamos no meio deles, congelados, hipnóticos, sem compreender o que se passava. Quando todos temos realizado que os crs estavam a cercar todo mundo, alguns tentaram voltar correndo na selva em chamas antes que os crs barram a passagem... outros assustados e imóveis diziam: Autocarro? We go to the bus?

Sim eu tinha acabado de descobrir, eles iriam ser todos levados. O desmantelamento acabava assim.
Eles estão presos como ratos.

Eles serão algumas horas mais tarde ordenadas, etiquetados com pulseiras, colocados em ônibus e deportados aos 4 CANTOS DA FRANÇA.

A operação terminou disse a prefeitura. O Fogo destruiu tudo inclusive os documentos de muitos que provarão proveniência e perseguições...

Vamos um autocarro, por acaso 4 horas mais tarde na estrada. Eles não sabiam para onde iam, a estação anterior lhes tinham recusado as casas de banho, os assentos estavam cobertas de plástico. Eles tinham tudo em torno do pulso uma pulseira da mesma cor, sinal distintivo do campo onde eram levados. Os olhos assustados, trémulos, a França tinha acabado de tirar-lhes a todos o que lhes ficavam um pouco de esperança, um cobertor, uma tenda velha parte em fumo. Nenhum sequer autorizados a regressar à sua tenda recuperar uma camisola, a sua mala, seu passaporte, todos isso terminou sob os bulldozers incluindo os negócios das pouco de associações fixas no local. Nós e o resto da Europa víamos isso impotente. Novamente e novamente a história acaba de escrever mais um n º de pesadelo.

Visão apolcalyptique, sensação horrível no meio de todos esses seres humanos que tremem. O que vai acontecer conosco agora nós dizia ele?
Porra!!!!! Foi a 26 de outubro de 2016, eu chora porque eu não sei como os livros de história vão relatar todos isso, agora que podemos ver como a mídia emitem informações falsas. Todo mundo deve saber.
Estivemos lá, este escrito é a pura verdade, outros virão.
Perdões a eles. Obrigado a todos os voluntários inglês e habitantes de calais que tentaram de tudo para evitar isso sozinhos sem ajuda nenhuma.
Repetimos o desmantelamento da selva devia ser feito mas não nestas condições, sem humanidade e sem verdadeiros soluções .

Mais do que nunca, devemos nos unir e fazer frente juntos.

Num discurso, Pam África convenceu ao conselho da cidade de Filadélfia para aprovar uma resolução que visa proteger as vidas de milhares de presos.





"Espera-se que isto seja algo positivo para Mumia e outros presos e presas .

Num discurso, Pam África convenceu ao conselho da cidade de Filadélfia para aprovar uma resolução que visa proteger as vidas de milhares de presos.

A campanha para levar a Mumia para casa (Campaign to bring mumia home) e o movimento jericho (Jericho Movement) informam que a resolução do conselho exige água limpa e cuidados médicos para os presos, em vista de muitas queixas sobre o água cor preta que fede em várias prisões no estado da Pensilvânia, incluindo a prisão Mahanoy, onde se encontra detido Mumia Abu-Jamal.

O nível de toxicidade é tão grave que muitos presos não têm água para beber ou para tomar banho e sentem que estão a morrer.

Água suja iniciou ou agravar problemas de saúde entre os prisioneiros que foram obrigados a tomar ou usá-la, incluindo falta de ar, tonturas, tumores, e feridas no corpo, como foi o caso com Mumia.

O Departamento de correcções recebeu queixas sobre estes problemas gravíssimos mas não fez nada para resolvê-los. Também não cumpriu com sua obrigação de oferecer assistência médica adequada aos presos, mesmo quando esta é um direito humano fundamental para todos os seres humanos dentro ou fora das prisões. Isto vimos isso no caso de Mumia, quem pode morrer se não receber os medicamentos anti-Virais para a hepatite C.

A Resolução aprovada pelo conselho da cidade de Filadélfia em 28 de Outubro, chama o governador da Pensilvânia Tom Wolf e a legislatura do estado da Pensilvânia para assegurar que as pessoas presas no estado tenham acesso a água potável e a atenção Médica. Pam agradece a Jannie Blackwell, Curtis Jones e Cindy Bass por promover a resolução no conselho.

E não se esqueçam, na sexta-feira, 9 de dezembro haverá manifestações em Filadélfia e outras cidades pela liberdade e saúde de Mumia Abu-Jamal aos 35 anos de prisão."

Etiquetas

Arquivo